Cenários
Por Wagner Herrera
22/05/2007


Importante se faz definir o significado do termo para a Administração Estratégica, posto que ela estrutura a organização para o futuro e que estratégias são “formas de pensar no futuro, integrada no processo decisório, com base em um procedimento formalizado e articulador de resultados” (Mintzberg), emprestando a conceituação de alguns pensadores:
- Cenários são sondas para o futuro. (Oscar Motomura)
- Cenários são elucubrações de ambientes futuros viáveis.
- Cenário é uma ferramenta para ordenar a percepção sobre alternativas do ambiente futuro em que as decisões de hoje terão efeito (Schwartz, 1998).
- Idealização de situações futuras possíveis que não necessariamente tenham interligação com o presente e o passado. (Oliveira)
- Os cenários são coleções de futuros possíveis para que possamos estabelecer as fronteiras de nossa incerteza e os limites para futuros plausíveis Os cenários não são um fim em si mesmos; são uma ferramenta de gestão para melhorar a qualidade da tomada de decisões. (Ian Wilson)

O que os cenários não são:
- Predições,
- Projeções (nesta era de mudanças aceleradas é inviável projetar futuros de médio e logo prazos em bases probabilísticas confiáveis.
Os cenários se apresentam como eficientes instrumentos para o planejamento estratégico, pois que sem eles fica impossível vislumbrar um ambiente futuro para a elaboração de estratégias e não saberíamos com o que se defrontar, posto que “toda ação ou situação a ser vivida no futuro é precedida de uma expectativa”. (Sérgio Almeida). Sua importância está em sensibilizar os executivos para possibilidades que dificilmente perceberiam e reduzir as chances de surpresas indesejáveis capacitando-os a tomarem melhores decisões.

Segundo Ackoff (1978), a essência da sabedoria empresarial é a preocupação com o futuro dos negócios. Entender o futuro e controla-lo é o grande desafio das empresas, principalmente na era do conhecimento. Quando falamos de futuro, pensamos em cenários.

As abordagens para elaboração de cenários são prospectivas e se baseiam em aspectos de ordem transacional - as relações de negócios da empresa e aspectos de ordem conjuntural tendo como influenciadores o ambiente de inserção - atratividade da indústria (cinco forças de Porter) e os macro-ambientes nacional e internacional (governo, político, social, econômico, mercadológico, tecnológico, demográfico, cultural, ecológico...), devendo-se construir mais de um cenário para que se tenham visões distintas do futuro quanto às ameaças e incertezas.

Metodologia da Global Business Network (GBN). (aqui deveria ter um esquema gráfico da metodologia. Os leitores interessados poderão solicitar via e-mail o artigo completo)

Um importante benefício dos cenários resulta na criação de estratégias alternativas como minimizadoras de riscos da estratégia principal. Os cenários devem ser consistentes e factíveis, (nunca ilógicos e surrealistas), o que não quer dizer que ocorrerão exatamente, pois seu principal objetivo dar orientação às estratégias que promoverão a empresa à uma posição de maior competitividade ante à concorrência.

Como diz Arie de Geus (Exame, 28.01.98), “não é possível saber e não importa qual será o futuro. A única pergunta relevante é: o que faremos se tal coisa acontecer?”.
Wagner Herrera é Graduado em Ciência da Computação e Engenharia de Producao na Universidade Mackenzie (SP) e pós-graduação em Administração Estratégica no IESC- Instituto de Ensino Superior Camões (Ctba-PR)