Mudança de Hábito
Por Jerônimo Mendes
15/09/2008


O significado original da palavra hábito é “traje” ou “peça de roupa”, algo que o ser humano é estimulado a usar todos os dias. Portanto, seus hábitos são como as roupas que você veste. Eles não nascem contigo, mas são incorporados à sua maneira de viver de acordo com a sua história pessoal e a cultura onde você foi inserido.

Durante um bom período da minha vida eu carreguei um hábito difícil de corrigir: o hábito de reclamar. Eu reclamava de tudo e de todos, razão pela qual uma simples dificuldade era motivo para reclamar primeiro, depois entender o que realmente estava acontecendo. Por esse motivo fui arranjando desafetos ao longo do caminho embora, na minha concepção, as pessoas fossem tão difíceis quanto eu era na época.

Quando a gente imagina ser o dono da razão, indestrutível na maneira de ser, pensar e agir, a vida demanda muito mais energia para a solução de coisas aparentemente simples, mas que, por uma questão de soberba e uma ponta de orgulho inadmissível, fazem com que a gente sofra mais do que o necessário. É o ser humano em seu estado natural, dividido entre seus vícios e virtudes.

Com o passar do tempo, a diferença entre eu e meus “concorrentes” é que eu decidi mudar radicalmente a minha maneira de avaliar cada ponto de vista para não ferir as percepções alheias. Isso me ajudou bastante na forma de julgar a situação e não a pessoa, embora as estejam intimamente ligadas.

Sem demagogia, apesar da mudança de hábito e de atitudes ao longo do caminho, não significa que eu me tornei uma “doce criatura” da noite para o dia. Você não muda um hábito assim, num estalar de dedos, considerando todas as dificuldades enfrentadas em quarenta e cinco anos. Entretanto, o que valeu mesmo foi que eu me propus a mudar e isso foi determinante para um salto na minha carreira profissional e na minha vida pessoal.

De fato, nossa maneira de viver é determinada não pelo que a vida nos proporciona, mas pelas atitudes que tomamos em relação à vida. O que a mente vê ou avalia é muito mais importante do que a situação ocorrida, portanto, não temos o direito de ferir a dignidade alheia assim como ninguém pode nos ferir sem o nosso consentimento. A reação ao fato é que determina o tamanho do choque ou do estrago.

Os hábitos são o segredo do sucesso. Podemos optar entre bons e maus hábitos. Trata-se de uma escolha pessoal, entretanto, tal como as atitudes, nossos hábitos podem ser modificados para o nosso próprio bem. Assim como construímos maus hábitos podemos mudar o foco e canalizar energia para a construção de bons hábitos.

Há muito tempo, quando meus filhos eram ainda pequenos, eu e minha esposa tomamos a sábia decisão de não proferir qualquer palavrão diante deles e isso, graças a Deus, fez com que nos livrássemos definitivamente deles, não dos filhos, mas dos palavrões. O resultado é que os filhos também não falam palavrões e cada vez que um deslize ocorre há um sinal de desconforto.

Quantas vezes por dia você reclama? Talvez, de minuto em minuto, muitas vezes pelo que você tem, outras pelo que não tem. Bons hábitos provocam uma diferença profunda na sua vida. Tente não reclamar durante uma hora, duas, três, dez e assim por diante. Logo estará conseguindo não reclamar durante um dia inteiro, uma semana e um mês até o dia em que não reclamar mais.

A reclamação anda de mãos dadas com o pessimismo. Cada vez que você reclama uma porta se fecha, alguém se ofende, o diálogo interior se confunde, os amigos se afastam, os ânimos se acirram. Uma reclamação atrás da outra definirá o seu modo de pensar e agir no futuro, portanto, pare de reclamar do trabalho, do chefe, dos amigos, dos vizinhos, dos filhos, da esposa.

Mude seus hábitos, mude sua vida e terá alguém para conversar, dividir as preocupações e compartilhar os anos difíceis da velhice que você não quer nem imaginar, mas não há como fugir. Ninguém quer viver ao lado de alguém que passa o tempo todo reclamando e não faz nada para mudar o seu estado de ação.

De acordo com Benjamim Franklin, cientista, inventor e diplomata norte-americano, a melhor maneira de eliminar os maus hábitos é substituí-los por outros melhores e mais positivos. Concentre-se nas suas qualidades e não nos defeitos, no que você possui em vez do que não possui. Não reclame, apenas faça, continue trabalhando e o mundo ao seu redor será diferente. Pense nisso e seja feliz!

Jerônimo Mendes é Administrador, Consultor e Palestrante
Autor de Oh, Mundo Cãoporativo! (Qualitymark) e Benditas Muletas (Vozes)
Mestre em Organizações e Desenvolvimento Local pela UNIFAE