Mulher - Sensibilidade, Competência e Superação
Por Fabiano Brum
06/03/2008

Percebe-se nos últimos anos uma crescente, benéfica e positiva participação da mulher nas organizações, seja como empresária, gestora ou em outros níveis gerenciais. Ela deixou de ser agente passivo das mudanças e transformações de nosso tempo, reivindicou, impôs-se e conquistou seu espaço no universo empresarial.

Empresas públicas ou privadas, sindicatos, cooperativas, clubes, escolas e associações em geral - sejam de natureza econômica, laboral, cultural ou política - tornaram-se ambientes da presença atuante da mulher.

A participação feminina é uma conquista muito valiosa, não só para elas, mas principalmente para o próprio mercado.

Elas não vêm ocupar o espaço dos homens, mas vêm ocupar o seu espaço, agregando valor ao trabalho de todos, com seu dinamismo, coragem, sensibilidade, competência e superação.

As organizações tornar-se-ão mais fortes economicamente e mais influentes politicamente enquanto as mulheres estiverem ativamente envolvidas. Não se pode mais dividir as atividades de trabalho em: “Isto é coisa de homem... isto é coisa de mulher”.

Em uma pesquisa realizada pelo Grupo Catho com cerca de 31 mil executivos, foram apontados alguns dados interessantes sobre a participação feminina nas organizações, como por exemplo:
• Elas já representam 17,5% dos cargos de presidência.
• 23% dos cargos de diretoria.
• 26% dos cargos de gerência são ocupados por mulheres.
• 49% dos cargos de coordenação, supervisão e encarregados

Outro dado interessante da pesquisa, revela que devido ao seu esforço e dedicação, elas estão sendo promovidas a cargos de gerência e direção bem mais cedo do que os homens. Em média 3 a 4 anos mais jovens.

Um fator inegável é a genética feminina de ser mãe, com isto a mulher consegue exercer múltiplos papéis com carinho e determinação, desta forma sua presença contribui em muito para harmonizar as diferenças, atenuar as tensões, fortalecer os pontos de convergência e realçar os interesses comuns. Normalmente a mulher tem mais atenção aos pequenos detalhes e tem um gosto apurado pela organização e perfeição.

A cantora/compositora Rita Lee, na música “Cor-de-rosa-choque” já dizia: “Sexo frágil, não foge a luta”.

Com muita garra e espírito vencedor, a mulher deixa de ser “sexo frágil” para ser ela mesma, sem fugir da luta e com muito orgulho ser simplesmente e absolutamente mulher!

Fabiano Brum: Palestrante nas áreas de Marketing, Motivação, Atendimento e Vendas, vem destacando-se em palestras, cursos e seminários pela maneira inteligente e criativa com que alia seu conhecimento musical aos temas de seus treinamentos.
E-mail: contato@fabianobrum.com.br - Site: www.fabianobrum.com.br