No ritmo do cliente
Por Fabiano Brum
02/06/2008

Recentemente participei de um evento na Bahia onde foi executado o Hino Nacional Brasileiro em ritmo de forró e um dos organizadores do evento disse: “Este é o nosso Hino Nacional Nordestino”.

Ele tinha razão, pois mantendo-se a estrutura melódica, podemos executar uma canção como forró, samba, bossa, baião, rock, etc. Mesmo que o nosso hino seja executado com uma guitarra distorcida como se fosse um hevy metal ele continuará sendo o Hino Nacional Brasileiro. Mesmo que você ouça Asa Branca de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira cantada em inglês, espanhol ou em chinês ela continuará sendo nosso mais famoso Baião. É claro que devemos lembrar dos direitos autorais e outras leis que regem as normas de execução.

Ao pesquisar sobre o assunto, verifiquei que os responsáveis pela gravação do hino em ritmo de forró sofreram ação judicial por conta de terem infringido a lei federal 5.700 de 1971, que determina regras sobre a execução da referida obra. A defesa alegou que a gravação tinha como intenção valorizar a cultura popular, realizar uma aproximação do hino nacional com o povo brasileiro, e que não foi desonrado ou vulgarizado os preceitos nacionais. Em resumo, como sabemos dos tramites judiciais em nosso país, acredito que a discussão ainda vá longe.

Salvo os aspectos legais, e levando em conta o sentido musical/cultural, nos exemplos acima o que mudou foi apenas a forma de execução, assim podemos perceber que existem maneiras diferentes de se mostrar, dizer ou fazer a mesma coisa.

Porém este hino poderá agradar mais, ou menos os seus ouvintes dependendo das diferenças culturais ou preferências pessoais de cada um. Alguns gostarão mais de ouvi-lo como valsa, outros irão preferir como um blues. Mas o fato é que ao soar as primeiras notas todos perceberão tratar-se do hino nacional.

Fazendo uma analogia com a gestão de uma organização podemos perceber a mesma característica, onde temos diversas formas de se fazer a mesma atividade, que trarão resultados diferentes, e que poderão ser recomendadas ou não para cada circunstância.

No atendimento ao cliente é impossível não reconhecer a individualidade das pessoas e a necessidade de se atender de acordo com cada perfil, ou seja, precisamos entender que indivíduos diferentes merecem atendimentos diferenciados. Por exemplo, se atendermos uma pessoa culturalmente simples utilizando uma linguagem rebuscada e pouco acessível ela provavelmente irá pensar que a estamos atendendo mal. Da mesma forma estaremos obtendo uma melhor sintonia com uma pessoa de alto nível cultural se utilizarmos uma linguagem mais apurada.

O que vale lembrar é que em qualquer área para se conseguir sucesso é preciso atuar no foco do foco do cliente, oferecendo diferenciais, sintonizando o nosso mercado, respeitando as diferenças e tomando muito cuidado com a padronização do atendimento, pois apesar de muitas vezes necessária ela pode estar nos afastando daquele que é a principal razão de existência da nossa organização.

Fabiano Brum: Conferencista nas áreas de Marketing, Motivação, Atendimento e Vendas, vem destacando-se em palestras, cursos e seminários pela maneira inteligente e criativa com que alia seu conhecimento musical aos temas de seus treinamentos. E-mail: contato@fabianobrum.com.br - Site: www.fabianobrum.com.br