O que são Redes Virtuais
por Daniel Portillo Serrano
10/06/2010

O que distingue uma rede estratégica tradicional de uma rede virtual é o grau em que as transações de negócio são realizadas por meio da Internet. (PITASSI, DIANA E MACEDO-SOARES 2003, p.4).
Na perspectiva de discussão de redes, Castells afirma que fatores que estão mudando nossa era estão relacionados a um conjunto de tecnologias da informação que ganha força com a rede mundial de computadores (CASTELLS – 2000). O autor afirma que

Uma rede é um conjunto de nós interconectados. A formação em redes é uma prática humana muito antiga, mas as redes ganharam vida nova em nosso tempo transformando-se em redes de informação energizadas pela Internet.

A Internet tornou-se a principal ferramenta para uma nova sociedade, “a sociedade em rede”, impulsionando a criação de uma nova economia e quebrando antigos paradigmas da comunicação, embasadas na afirmação de Castells que “A Internet é um meio de comunicação que permite, pela primeira vez, a comunicação de muitos com muitos, num momento escolhido, em escala global (Oliveira e Irving - 2008).
A Internet tem assumido diversos papeis. Diversão, comunicação, informação, entretenimento, intercâmbio e comércio. Neste último, a Internet tem obtido uma vantagem competitiva sobre as redes físicas de comércio. Para Porter, “uma cadeia de valor é o conjunto separado, porém interligado, de atividades por meio das quais uma empresa cria e comercializa seus produtos e serviços” (Porter, 2001). Além disso, há, para o autor, vantagens no que se refere a proposição de valor, como “um conjunto de benefícios, diferentes daqueles oferecidos pelos concorrentes” (Porter, 2001, p.71).
Assim, a oferta de produtos para compra via Internet está tomando o lugar do varejo tradicional, presencial. Lojas como a Amazon.com que iniciou as atividades comercializando livros on-line, atualmente oferecem uma gama imensa de produtos. De roupas a discos.
Citando Pitassi, Diana e Macedo-Soares (2003)

A virtualidade pode ser entendida então como perspectiva de gestão que explicitamente reconhece a dinâmica de independência/complementaridade entre proposições de valor.

Os autores afirmam que “Uma estratégia virtual pode ser entendida como hiperestratégia, ou metagestão as quais possibilitam a recuperação descentralizada de informações e a sua integração simultânea em sistema flexível e multifacetado de elaboração de estratégias. Este pool de informações, constituído a partir de bases de dados conectadas em tempo real, apoiado por mecanismos de coordenação previamente estabelecidos que assegurem o compartilhamento de informação estratégica, alavanca o potencial de geração de conhecimento, quando comparado ao potencial das redes sem comunicação digital.
No Brasil, inúmeros varejistas que possuíam sua rede física de lojas passaram, também a oferecer a possibilidade de se adquirir produtos sem sair de casa. O varejo é um dos segmentos industriais que mais tem sofrido mudanças nos últimos anos, graças ao advento das tecnologias de informação e de telecomunicações que revolucionaram o mercado (Van der Linden 2004). Ponto Frio, Americanas, Pão de Açúcar, entre outros, foram os pioneiros. Atualmente podemos, através de um computador ligado à rede mundial, adquirir praticamente, qualquer produto com sua respectiva entrega em domicílio. Por outro, alguns segmentos de consumidores têm muita resistência a fazer suas compras pela Internet. Muitas pessoas, usuárias de computador e de Internet, preferem ir à loja em vez de fazer suas compras pela web. Van der Linden (2004).
Para PIMENTA (1998, p.3),

O comércio eletrônico ainda é caracterizado por um ambiente onde a experimentação é dominante. Apesar desse quadro de incertezas, o conceito de comércio eletrônico parece absolutamente real e definitivo.

Referencial bibliográfico

BALESTRO – Moises, V. Confiança em rede: a experiência da rede de estofadores do pólo moveleiro de Bento Gonçalves – Dissertação - Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul - Porto Alegre - 2002.

CASTELLS, M. – Materiais para uma teoria exploratória da sociedade em rede. – British Journal of Sociology – Londres – 2000

CORREIA, Silvia M. Novas Famílias, Modos Antigos. As redes sociais na produção de bem-estar, Tese de Doutoramento em Sociologia, Coimbra, FEUC – 2006 disponível no endereço: http://hdl.handle.net/10316/480 acessado em junho de 2009.

DIMAGGIO, Paul, POWELL, Walter, W. The Iron Cage Revisited. American Sociological Review, USA – 1983

FOLHA ONLINE – “Fusão de Submarino e Americanas.com cria empresa de R$ 8 bi”. 23/11/2006 - 12h37 – Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u112608.shtml acessado em 12 de junho de 2009

FÓRUM MONETIZAÇÃO – Fórum aberto para integrantes de sistemas de afiliados, disponível em http://groups.google.com/group/monetizacao?lnk=srg acessado em 12 de junho de 2009.

GAMEIRO, P. As organizações em rede. BOCC- Bibioteca On line de Ciencias da Comunicação. p.1-25, 2008, disponível no endereço http://www.bocc.ubi.pt/_esp/autor.php?codautor=1176, acessado em maio de 2009.

NOHRIA, Nitin – Is a Network Perspective a Useful Way of Studying Organizations?
Harvard Business School Press – Boston – Massachusetts – 1992

OLIVEIRA, E. e IRVING, M. Redes virtuais: da discussão teórica às potencialidades contemporâneas para a consolidação de redes sociais. Revista Textos de La Cibersociedad, número 13 – 2008, disponível em http://www.cibersociedad.net , acessado em junho de 2009

PIMENTA, M. de F. - Tendências sobre Comércio Eletrônico. Monografia. - Universidade Estadual de Campinas - Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação – São Paulo - julho de 1998


PITASSI, C.; DIANA, T e L.V.A de MACEDO SOARES - Redes estratégicas virtuais: fatores críticos de sucesso - Revista de Administração Contemporânea - vol.7 Curitiba 2003

PORTER, M. E. Strategy and the internet. Harvard Business Review, v.79, n. 3, p. 63-78, 2001.

RECUERO, Raquel da C. - Em busca de um modelo para o estudo das comunidades virtuais em redes sociais no ciberespaço – Artigo – Intercomm – Porto Alegre - 2005

TICHY, Noel M.; TUSCHMAN, Michael L.; FOMBRUN, Charles – Social Networks Analysis For Organizations – Academy Of Management – 2001

VAN DER LINDEN, Carolina, Compras em supermercados Eletrônicos: Existem Barreiras? Dissertação de Mestrado como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da PUC-Rio - 2004

 

Daniel Portillo Serrano é Palestrante, Consultor e Professor. Bacharel em Comunicação Social com ênfase em Marketing Pela Universidade Anhembi Morumbi, e pós graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Ibero-Americano - Unibero, Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Paulista - UNIP. É consultor de Marketing e Comportamento do Consumidor e editor dos sites Portal do Marketing e Portal da Psique . Tem atuado como principal executivo de Vendas e Marketing em diversas empresas do ramo Eletroeletrônico, Telecomunicações e Informática. É professor de Marketing, Administração, Estratégia, Comportamento do Consumidor e Planejamento em cursos universitários de graduação e pós-graduação. Contato: daniel@portaldomarketing.com.br   .