As Oportunidades da Crise
Por Ernesto Artur Berg
01/10/2007

Não Pergunte: Quando acabará esta crise?

A pergunta certa é: Quais são as oportunidades que esta crise traz?

Se esperar acabar a crise para então agir, irá se decepcionar. Ela poderá terminar o ano que vem ou daqui a cinco ou dez anos. Não depende só de nós. Mas depende de nós aceitar o desafio de nos adaptarmos às circunstâncias e darmos a volta por cima.

Um navio é feito para navegar, tanto em mar tranqüilo, quanto em meio à tempestade. Qualquer que seja o tempo ele chegará ao seu destino. Uma empresa que não tenha sofrido ao menos uma crise, não saberá como se defender dela quando acontecer. Uma crise, quando tratada a tempo, reforça os anticorpos da organização e das pessoas tornando-se mais atentas e ágeis. As que forem medíocres sucumbirão.

A empresa inteligente saberá tirar proveito disso encarando a crise como uma oportunidade. Oportunidade de mudar sua forma de atuar, de enxugar custos e livrar-se do obsoleto, de lançar novos produtos e serviços, de racionalizar métodos e processos, de estabelecer novas alianças e parcerias, de incursionar em novos mercados, de redirecionar seus objetivos e estratégias.

A crise lhe dá a chance de transformar a anta gorda da ineficiência num veloz cavalo de corrida da eficiência. Agradeça à crise por fazê-lo ver melhor quem você é. E aproveite o presente oculto que ela lhe traz: a oportunidade de mudar para melhor.

Ernesto Berg é Consultor em gestão de empresas, desenvolvimento organizacional e gerencial, especialista em negociação e desenvolvimento de pessoal. E-mail: berg@quebrandobarreiras.com.br