Beleza Absoluta e Beleza Relativa.
Por Emerson Marinho Nóbrega
25/04/2009

Antes de entrarmos efetivamente no assunto, gostaria de dar uma pequena introdução que acredito ser de muita importância para nos ajudar a entender a relação entre estas belezas.
Trata-se do conceito de “ato e potência”
Todas as coisas no mundo, ou seja, toda a criação existe em ato e potência em um dinamismo constante, por exemplo:
Um muro pintado de verde o é em ato, contudo esse muro tem potência em outra cor. Se você pintá-lo de branco, neste momento ele será branco em ato e terá potência de ser qualquer outra cor, menos branco.
O único ser existente em ato puro é Deus, isso porque Ele não muda. Deus é o mesmo desde o princípio, isso sabemos quando nos diz: Eu sou aquele que Sou, ou seja igual sempre.
Para o homem é impossível ficar sempre igual, então já que esta passagem faz parte da nossa natureza, lutemos para sermos melhores hoje do que fomos ontem, tanto na vida pessoal quanto na profissional.
Mas o que tem haver tudo isso com o nosso tema?
Vou explicar.
Todos os nossos trabalhos por mais belos que sejam tem apenas uma beleza limitada, como que um espelho refletindo a beleza por excelência, sem esta referência nos seria impossível criar algo verdadeiramente belo ou melhor, que aponte para isso.
Eu posso encontrar trabalhos que contenham harmonia nas formas, nas cores, sejam inteligentes, mas não me levem para cima, esses são ciladas e não ser enganado por eles é uma tarefa difícil de aprender, todavia esse já é um outro tema.
Voltando ao assunto, quando começamos um novo trabalho pensamos.
Ah, este será o meu melhor job, ao término dele e começo do outro lá estamos nós buscando o mesmo ideal.
É uma busca incansável e inatingível, ato e potência.
As vezes gosto de olhar ao meus primeiros trabalhos, aqueles que julgava ser o meu melhor, pois bem, vendo eles agora servem apenas como registro desta minha subida. Mesmo sabendo que nunca chegarei ao topo aqui na terra, continuo subindo sabem por que?
Porque a cada etapa eu me aproximo mais dele, tento a cada dia ser merlhor na vida pessoal e na profissional. E me traz tanta alegria a esperança de um dia ver esta beleza infinita.
Escutem uma música de Bach ou um canto gregoriano, vocês vão entender tudo.
O que mais gosto na nossa profissão é que ela pode servir como uma seta que aponta para o puro, para cima, para a verdade. O design se enquadra na classe das coisas que o homem faz e que tem a capacidade de transpor a barreira do concreto para o espiritual.
É nosso dever usar o talento que temos para o bem e ajudar as pessoas mesmo com nossos limites a enxergar no horizonte esta verdade, esta beleza absoluta e assim mostrar que o homem nunca alcançará sozinho este ideal em sua busca pela perfeição, este mundo que colocou as obras do homem como fim último das coisas e pretendendo ser divinizado no que faz, se esvaziou.
Que meu design seja uma bússola que aponte para o norte, que aponte para o absoluto que aponte para Deus.

Emerson Marinho Nóbrega é diretor de criação da agência Pulsar Design. pulsardesign.blogspot.com