Consciência & Comprometimento
Por Gilclér Regina
22/02/2009

O exercício de liderar, de dar rumo a coisas e as pessoas, se aprende a cada dia. Quem educa é capaz de fazer aflorar na equipe o que eles tem de melhor.
Porque os chefes então se aborrecem constantemente? Há casos e casos, nem todos são iguais é verdade, mas a resposta é que muitos querem controlar tudo e todos ao seu redor e na verdade ninguém controla ninguém.
Muitos reclamam que na equipe, ninguém oferece alguma idéia nova ou tomam qualquer tipo de iniciativa. Um paralelo sobre isso é o exemplo do elefante de circo que fica preso a um pequeno toco. Ele é capaz de arrancar uma árvore e, se quisesse, poderia desprender-se da estaca facilmente e fugir. Mas não faz isso. Ele foi adestrado desde pequeno, quando o toco representava um obstáculo real. Isso também acontece com as pessoas. Já ouviu alguma vez aquela frase que “educação vem de berço?”.
Muita gente acredita que não pode fazer um montão de coisas, e não conseguem mesmo. A única maneira para fazer as coisas acontecerem é tentar, errando ou acertando, mas fazendo, com coragem, fé, determinação e muito apoio. Apoio este que deveria vir especialmente do líder da equipe, estimulando as pessoas a vencerem os obstáculos e superarem os limites.
Para isso, é preciso confiar e delegar. Se você continua dando o peixe ao invés de ensinar a pescar, isto é, se você continua fazendo as coisas pelos outros e tomando decisões por eles, estará criando um bando de fracos.
Um empresário me disse certa vez: "somos bons de raquete, mas acho que estamos no jogo errado". Muita gente se concentra no negativo. Há chefes que só tem duas conversas com os funcionários: quando os admitem e quando os demitem. Há líderes que se apaixonam pelas máquinas e nem ao menos sabem os nomes de quem as faz funcionar É difícil desenvolver confiança quando não existe diálogo. É preciso criar a parceria. Sei que muitos vão me questionar quanto ao sigilo de informações e coisas afins. Ora, colaborador é parceiro e deve ser tratado como tal. Se você mente ou esconde o jogo, não está tratando o outro como um parceiro e logo, não espere comprometimento por parte dele. Não se trapaceia com parceiros, essa é a lei.
É preciso criar uma relação de confiança, um ambiente de camaradagem em que ninguém pense que o outro vai puxar seu tapete e isso começa nas lideranças.
Empresas e organizações são muito mais que isso. É preciso uma visão humanística que concilia bem estar com bons resultados. Pensar numa empresa como mero sistema de informação é o mesmo que pensar que um elefante é apenas a sua tromba. Tudo bem em querer os ovos da galinha de ouro e avaliar a qualidade desses ovos, mas, e a galinha, como fica? Uma equipe é o conjunto de pessoas que trabalham voltadas ao objetivo comum.
Quando há comprometimento, faz com que as pessoas discutam no plano da divergência e não apenas na convergência. São nas divergências que surgem as melhores idéias. Por isso, treinar a equipe dá trabalho e é trabalho para o resto da vida.
Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!


Gilclér Regina é Consultor, Escritor e Palestrante no Brasil e exterior. autor de livros e CD's que já atingiram a marca de 4 milhões de unidades comercializadas. Realiza mais de 100 palestras por ano em Convenções de Empresas. Tem formação em Dinâmica Humana pelo The National Value Center- Texas-EUA, em TQM pelo ASQC American Society for Quality Control-Winsconsin-EUA curso de Desenvolvimento e Gestão Humana pelo The Graves Technology. É presidente da empresa CEAG Desenvolvimento de Talentos e Editora Ltda. É também articulista de aproximadamente 300 revistas, jornais e sites. Uma pessoa de origem humilde que tornou-se um dos Conferencistas mais procurados para os eventos e convenções no Brasil. Site: www.ceag.com.br