A gestão logística em Marketing
Por Rafael Mauricio Menshhein
18/06/2007

Com a globalização distribuir adequadamente os produtos torna-se um grande desafio e gera estudos mais aprofundados de mercado, permite encontrar soluções viáveis para que todos os pontos de venda sejam abastecidos corretamente e que possibilitem um novo diferencial na comparação de produtos similares por parte dos consumidores.
Uma das grandes vantagens em controlar realmente o fluxo de produtos, desde a matéria-prima até seu pós-venda é conhecer melhor os consumidores, a logística traz uma nova visão para os gestores, permitindo compreender o mercado e o público-alvo.
Os estudos voltados para toda a cadeia de suprimentos (supply chain), agregam mais valor para os consumidores, bem como o transporte e armazenagem correta, criando perspectivas mais adequadas a geografia, cultura, comportamento etc.
Um dos pontos que deve levar a especialização e melhoria da logística em todas as organizações é o conhecimento adquirido pelo consumidor, hoje este consumidor procura um produto desejado em inúmeras lojas, fazendo com que seu valor (valor = benefício/custos) seja atraente e esteja realmente presente nos produtos adquiridos.
Desta forma é vital transformar a própria logística em um valor dentro do mercado, pois um produto que não está no ponto de vendas não é comparado, e por conseqüência não é adquirido, mesmo assim há inúmeros fatores que levam o consumidor a adquirir o produto que está exposto no ponto de venda, como a sua:

Integridade: um produto com arranhões, amassados, rasgados etc., não é bem visto, e deixa de ser adquirido, tornando-se um motivo de comparação para o cliente e excluindo-o imediatamente da sua lista de escolhas, os cuidados desde a fabricação até a chegada a residência do cliente são fundamentais e agregam maior valor na hora da escolha;
Obsolescência: um produto ultrapassado ficará por um bom tempo nas prateleiras, pois há inúmeros exemplos em que a tecnologia retira do mercado produtos de qualidade, mas que hoje são rotulados como antigos; neste ponto também entra a validade de um produto, especialmente os alimentos, onde um descuido com seu prazo gera complicações para toda a organização e o ponto de venda do produto;
Prazo de entrega: levando-se em conta os itens anteriores, percebe-se que o consumidor pode aguardar um determinado tempo para ter em suas mãos o produto, logicamente este prazo deverá ser percebido como viável, pelo cliente, e estar adequado ao valor do produto, por isso existem setores onde filas de espera são comuns e compreensíveis pelos consumidores, como na aquisição de um automóvel.

Envolver toda a organização e fazê-la trabalhar em busca de um objetivo comum é uma das formas de demonstrar o quanto pode ser feito com o uso correto da logística, que para alguns, especialmente no Brasil, é relacionada somente com transporte.
Todas as organizações podem melhorar a sua logística, estudando e adequando os vários modais ao seu negócio, como:

Transporte rodoviário: muito utilizado no Brasil e que tem um custo elevado, devido as condições das rodovias e a sua má utilização;
Transporte aéreo: utilizado como a solução para uma emergência, é taxado como excessivamente caro, mas com estudos adequados pode ser muito mais barato que o rodoviário;
Transporte marítimo: com uma estrutura portuária pouco eficaz, o Brasil deixa de lado este modal e limita a ação de grandes empresas;
Transporte ferroviário: quase inexistente no Brasil, torna-se inviável utilizá-lo para transportar para países vizinhos devido a distância entre os trilhos das ferrovias brasileiras, as únicas que estão fora do padrão mundial, com isso, mesmo dentro do país ainda é muito pouco utilizado, porque muitas organizações não conseguem planejar;
Transporte fluvial: levar cargas por meio dos rios e lagos pode ser de grande valia, mas com a cultura de que o transporte deve ser terrestre, todos acabam perdendo e muitas organizações nem sabem de sua existência.

Devido a falta de conhecimento e de estudos, o Brasil acaba perdendo muito com a incapacidade das organizações em avaliar qual é o melhor modal de transporte, deixando de ganhar para economizar.
Mas as novas gerações de gestores já apontam um novo estilo, onde o conhecimento é trabalhado e estudos são realizados para melhorar todo o desempenho das organizações, deixando de lado as brigas internas, porque eles sabem que o trabalho de um interfere diretamente no do outro.