A inovação integrada as empresas em Marketing
Por Rafael Mauricio Menshhein
26/04/2017

Inovar não deve ser uma tarefa ininterrupta das empresas, caso contrário jamais alcançarão a excelência naquilo que produzem, algo que pode parecer distante do mundo real para as mentes limitadas que acham que só existe a inovação e que fazer o melhor que a empresa pode para levar aos clientes produtos e serviços utilizáveis é vital.
Para as mentes medíocres só existe a inovação em tempo integral, perpetuada para encobrir a incapacidade de alcançar a excelência por um período de tempo até melhorar o que já é consagrado pelos consumidores.
Por isso a maioria das empresas não sabe o que faz, tampouco seus colaboradores adestrados que apenas repetem os mesmos passos para não correr o risco de manter um relacionamento com os clientes.
Então as ações e discursos sempre tratarão modismos como regras, pois a inovação nem sempre precisa chegar ao consumidor, o que não é compreensível para as mentes limitadas que não enxergam a integração de informações e tentam manipular a realidade à sua vontade ilusória.
Desta forma as empresas que optam por pregar sua vocação pela inovação não conseguem atender aos desejos de sus cliente de maneira mínima, pois sequer os oferece a oportunidade de um novo encontro entre os dois lados, uma vez que o cliente é descartável e na fila o seguinte será a próxima vítima.
Com isso o mercado acaba inundado por empresas que se aproveitam dos modismos para não fazer nada, o que pode parecer surreal, mas é o que ocorre quando a mensagem enviada não reflete o que a empresa faz, e é assim que passam a tratar pessoas como coisas ou recursos, preferindo iludir clientes o mais rapidamente possível e ainda culpando-os por terem escolhido a empresa.
E assim aproveitam as falácias para se posicionarem como empresas interessantes para o consumidor, mas logo o cliente inteligente percebe o desleixo com o qual é tratado e migra para um concorrente capaz de entregar-lhe mais do que produtos ou serviços.
Então fica evidente que as empresas inteligentes conseguem trabalhar com a inovação de maneira plena, compreendendo e utilizando-a da melhor forma para levar aos consumidores produtos e serviços que não serão encontrados na concorrência, algo que foge à compreensão das mentes adestradas que assolam mercados por serem incapazes de viver no mundo real onde a melhoria contínua não é mera ficção, mas se faz presente quando a organização, através de seus colaboradores, sabe que sempre haverá espaço para evoluir.