Lucratividade e Liquidez - Indicadores da Saúde das Empresas
Por Ivan Postigo
10/11/2010

Os gestores empresarias todos os dias se vêem envolvidos com um volume substancial de informações e relatórios gerenciais que lhes dão sinais do andamento dos negócios, porém dois indicadores são fundamentais: Lucratividade e liquidez.
Lucratividade ligada aos aspectos econômicos dos negócios e liquidez aos financeiros.
Uma empresa pode se mostrar lucrativa, mas ter problemas devido ao fato de que recebe os valores de suas vendas num instante bem distante em que vencem seus compromissos.
Consideremos que para a fabricação de nossos produtos neste primeiro mês os compromissos com materiais, mão-de-obra, energia elétrica e outros gastos vencem em trinta dias, mas prontos os produtos estes levam quinze dias para serem vendidos e entregues e temos que conceder sessenta dias para que os clientes nos paguem.
Digamos que os vendemos todos por R$ 1.200,00 e estes nos custaram R$ 1.000,00, temos então um lucro de R$200,00.
Nos próximos 30 dias teremos que desembolsar R$ 1.000,00 e só receberemos R$ 1.200,00 daqui a 75 dias. Nossa empresa se mostra lucrativa , mas sem liquidez para honrar os compromissos .
Podemos ir aos bancos e pedir um empréstimo ou descontar as duplicatas, com isso transformamos nossas duplicatas em dinheiro e honramos os compromissos. Isso, logicamente, tem um custo que precisa ser considerado nos cálculos de lucratividade, uma vez que absorvem parte do lucro.
Vamos para o segundo mês considerando as mesmas premissas, veremos então que após 60 dias já pagamos a importância de R$ 2.000,00 e ainda nada recebemos, dessa forma temos dois meses de faturamento compromissados com as instituições financeiras. Desde que os custos financeiros não consumam o lucro podemos ainda operar , com alguma segurança, embora os credores já comecem a se preocupar com possíveis problemas de inadimplência .
Nesta simples reflexão o que poderia dar errado e comprometer os negócios?
Uma delas seria o atraso de pagamento dos clientes ou até a impossibilidade de recebimento por falência de alguns, comprometendo a liquidez e também os lucros, a outra seria a queda de vendas, que geraria complicações sérias à empresa.Numa situação como essa estaríamos tomando recursos para financiar os estoques que não estão girando .
Alguém poderia nos dizer: Esse raciocínio é muito drástico!!!!!!!
Analise com cuidado e verá que não é não.
Quantos produtos são lançados e não encontram aceitação no mercado?
Quem trabalha com moda, inovação, conhece bem a problemática que envolve produtos novos .
Quantos produtos apesar da aceitação no mercado apresentam problemas e a empresa se vê obrigada a retirá-los?Produtos que são retirados e não tem condições de retorno são perdas efetivas.
Uma empresa pode enfrentar um ou vários destes problemas que podem colocá-la em situação bastante delicada.
Ainda que aspectos como esses não afetem os resultados operacionais, normalmente, parte dos recursos financeiros das empresas são direcionados a investimentos em máquinas e equipamentos, em desenvolvimento de produtos, marcas, instalações, portanto num primeiro momento podem comprometer também a liquidez da empresa.
A questão poderia também ser colocada de forma inversa: A empresa ter liquidez, mas não ter lucro.
Isso se configuraria quando as duplicatas geradas pelas vendas fossem recebidas antes do vencimento dos compromissos.
Digamos que as vendas sejam feitas com prazos para recebimento de 30 dias e as compras tenham um prazo de 45 dias para liquidação, porém os valores recebidos não sejam suficientes para honrar todos os compromissos.
Sendo a questão tão óbvia porque muitos gestores demoram a perceber os problemas, principalmente com relação à falta de liquidez?
O fluxo de compras e vendas não são lineares, há a questão da sazonalidade, queda de vendas inesperadas com alta estocagem, precariedade no planejamento, quer de vendas, compras ou produção, de forma que o processo se torna complexo e o problema não se configura de fácil percepção para um gestor sem especialização em finanças.
Apesar de todo discurso no mercado de que o Brasil tem excelentes especialistas em finanças a quantidade de empresas que tem um bom planejamento de caixa é bastante reduzida.
Quando a semana começar que tal dar uma olhadinha na lucratividade da sua empresa do último ano, como foi a liquidez e o que você tem planejado para os próximos 6 meses?
Caso não consiga chegar a uma conclusão é hora de chamar um profissional com especialização em gestão administrativa e financeira , não coloque a sua empresa em risco.
Para ter sucesso você precisa conhecer profundamente como anda a lucratividade e a liquidez de sua empresa.

Ivan Postigo é Economista, Bacharel em contabilidade, pós-graduado em controladoria pela USP. Autor do livro: Por que não? Técnicas para estruturação de carreira na área de vendas e diretor da Postigo Consultoria de Gestão Empresarial - Fones (11) 4526 1197 / ( 11 ) 9645 4652
www.postigoconsultoria.com.br - ipostigo@terra.com.br