Os Males da Omissão e da Incompetência
Por Ivan Postigo
08/01/2011

Nas nossas entrevistas de consultoria, quando somos convidados para analisar projetos de reestruturação empresarial, é comum ouvirmos que o grande problema na empresa são pontos onde a incompetência prevalece.

Incompetência significa inabilidade, inaptidão.

Omissão significa deixar de fazer, escrever ou dizer, não agir quando se esperaria que o fizesse.

Vamos analisar uma situação onde há um conflito:

A empresa Balburdia Ltda., tem um pedido para atender, que todos consideram importantíssimo.

Como se todos não fossem!

Os gestores aceitaram o pedido por duas razões: Consideram este um cliente especial pelos volumes que costuma comprar e este pedido aumentará consideravelmente o faturamento da empresa.

O seu fornecedor de matéria-prima, seguindo o mesmo conceito, também se propôs a participar da empreitada.

Plano debatido, planejamento desenvolvido, programação preparada, a produção foi executada, com algumas dificuldades, mas concluída na data esperada, algumas horas mais tarde.

Quando todas as etapas pareciam estar cumpridas notou-se que o caminhão que deveria levar os produtos, descarregando-o na linha de produção do cliente, não estava na empresa.

Gritaria geral, começaram as ligações para o motorista que estava descarregando uma carga, em outro cliente, já agendada.

Dentro da fábrica, celular mudo, motorista envolvido com a movimentação das caixas para acelerar o processo, contato zero.

Neste momento começa a gritaria a procura dos culpados, todos os dedos apontados para o motorista que não aparecia

Inevitavelmente, é impossível não considerarmos que há uma falha.

A questão a ser debatida é se estamos tratando de incompetência ou omissão.

Tivesse o caminhão chegado no horário teríamos um grupo de heróis, mas pelo que estava ocorrendo sobravam acusações de incompetência.

Alguém levantou uma questão: - Por que não ter um plano B caso o caminhão não retornasse?

Rapidamente outra pessoa lembrou: - Não usamos transporte de terceiros porque toda vez que é mencionado é considerado caro.

Um estagiário da área de logística fez uma observação:- Nosso supervisor cogitou a ação, mas como o produto já estava pronto, faltava inspecionar poucas peças, todos os gerentes foram embora. Ficamos apenas nós aguardando a chegada do caminhão para carregarmos, então não havia quem pudesse tomar essa decisão.

A última a sair foi a Aninha que ficou para tirar a nota fiscal.

Nota-se que todas as competências foram aplicadas, houve um pequeno grande problema: Esse projeto só estaria concluído com o produto na linha de produção do cliente.

O tempo se esgotando, tarde da noite, e o cliente certo de que receberia os produtos também não entrava em contato.

Naquele momento o chefe da produção, desesperado, resolveu ligar para o cliente para verificar que arranjo poderia fazer.

Encontrou apenas o supervisor do turno que tinha apenas uma instrução: Deixar o caminhão do fornecedor entrar e colocar o material na linha.

O supervisor, recém-contrato, não sabia como se comunicar com seu gerente e não tinha outro recurso senão esperar, mas se prontificou em tentar localizá-lo para verificar se teriam alguma alternativa.

Casos como esse acontecem todos os dias e quando analisados coloca-se em dúvida, inclusive, se um pedido com esse risco deveria ter sido aceito.

O ponto crucial é que pela complexidade as tarefas isoladas não atenderam a urgência, faltou comprometimento com o processo todo, do fornecedor e do cliente.

O problema não foi de competência, mas de omissão.

O responsável pela logística não tinha autoridade para contratar transporte de terceiros e quem tinha essa prerrogativa não estava presente e incomunicável nesse momento.

No dia seguinte, com cliente zangado e prometendo não comprar mais da empresa, todos diziam: - Como poderíamos imaginar que isso fosse acontecer?

A resposta é simples: - A urgência do projeto!

As linhas divisórias de autoridade costumam criar algo que poderíamos chamar de “ zonas de omissão” . Justamente nesses pontos ocorrem as maiores falhas.

Você como gestor deve estar atento às competências, mas também as possíveis omissões, nos momentos de crise estas se fazem presentes.


Ivan Postigo é Economista, Bacharel em contabilidade, pós-graduado em controladoria pela USP. Autor do livro: Por que não? Técnicas para estruturação de carreira na área de vendas e diretor da Postigo Consultoria de Gestão Empresarial - Fones (11) 4526 1197 / ( 11 ) 9645 4652
www.postigoconsultoria.com.br - ipostigo@terra.com.br