Marketing e as Mudanças Organizacionais
Por Rafael Mauricio Menshhein
30/05/2007

As relações com os consumidores vêm passando por mudanças radicais, o mercado passa por uma adaptação e traz consigo novos paradigmas a serem quebrados.
Conhecer os clientes é o mínimo que se espera de uma organização atualmente, mesmo antes de iniciar suas atividades, o que pode parecer estranho para alguns é fundamental para a elaboração de estratégias e conhecimento de mercado.
Montar uma empresa pode parecer o sonho de muitas pessoas, mas ter habilidade de gerenciar os processos produtivos e os colaboradores faz toda a diferença.
Henry Ford recrutava as pessoas e desejava somente receber seus braços, pois sua estrutura organizacional era voltada completamente à produção e não a gestão de pessoas.
Naturalmente os tempos de Henry Ford já passaram para muitas organizações, mas ainda existem regiões onde este modelo é amplamente utilizado.
Lidar com as pessoas da organização é um desafio diário para os gestores, quando estes não estão preparados para trabalhar com as emoções das pessoas, muitos chegam a imaginar que existe uma separação entre a pessoa e o profissional.
Quando há um preparo e disposição para desenvolver-se para trabalhar com a razão e a emoção, entende-se melhor o processo pelo qual as pessoas desejam trabalhar na sua empresa e não nos concorrentes.
A gestão dos talentos humanos, e não recursos, é um dos primeiros passos que devem trazer para a organização pessoas preparadas para trabalhar com prazer, mesmo assim existem pessoas que imaginam trabalhar em uma empresa somente pelo prestígio ou pelo reconhecimento dos amigos, e então acaba decepcionado com a organização, sem entender que a cultura da organização e a desta pessoa são completamente opostas.
Mesmo que possa parecer estranha a influência da cultura organizacional faz uma grande diferença na escolha da empresa para se trabalhar, mesmo assim deve-se manter o bom senso de oferecer uma organização com um ambiente agradável a todos.
O desenvolvimento do lado emocional é tão importante quanto o gerenciamento de pessoas no modelo de Ford, há dias em que a atenção dada as pessoas muda completamente a relação interna e gera uma condição favorável.
Um grande paradigma atual é o despreparo de todas as organizações para lidar com a era do conhecimento, Peter Drucker já discutia este ponto há alguns anos e parece que não há uma grande movimentação para lidar com este momento de mudança global.
Um dos grandes pontos que interfere claramente na gestão de talentos humanos é a falta do auto-gerenciamento, as pessoas não estão preparadas para gerenciar a si quando em cargos de gerência.
As mudanças apontam novos rumos para as organizações, trazendo uma ruptura na estrutura de pirâmide das empresas, as pessoas possuem mais conhecimento e este conflito de modelos acaba causando conflitos desnecessários, pois um dos lados esquece de compreender o outro, da mesma forma com que as pirâmides já não têm mais o mesmo poder nas organizações.