A Coragem de acertar agora
Por Raúl Candeloro
10/10/2009

O fabuloso texto de Platão, “A Alegoria da Caverna”, conta a história de um grupo de pessoas que nasceu agrilhoado às paredes de uma caverna cujo túnel de acesso possuía uma curva que impedia a visão direta do mundo exterior. Deste, só visualizavam as sombras das pessoas, animais e utensílios que cruzavam a entrada. Por terem nascido nesse ambiente e não conhecerem outra coisa, os habitantes desta caverna substituíam as sombras pela realidade, pois era tudo que conheciam.
No texto, Platão descreve o que aconteceria se algum dos prisioneiros fosse libertado. Ele caminharia em direção à entrada da caverna, por onde entra a luz, e ficaria cego pela luz do Sol (representando aqui a luz da verdade). Aos poucos seus olhos se acostumariam à luz e, surpreso, ele descobriria que fora da caverna existia um mundo real. Que as sombras que sempre tinham visto na caverna eram apenas representações da realidade. E voltaria correndo contar aos outros a novidade.
Acomodados e acostumados às sombras, segundo Platão, ele seria inevitavelmente morto pelos que não querem acreditar na verdade, que não conseguem nem aceitar que ela seja verdade. A luz inicial, que provoca a cegueira, é tão dolorosa que a maioria das pessoas não tem coragem de enfrentá-la. Preferem ficar na escuridão, na ignorância e no conforto, mesmo que errados.
O raciocínio livre hoje em dia é uma raridade, poucas são as pessoas que conseguem ver além da mediocridade que os cerca. Pensar e mudar dói. Leva um tempo para acostumar-se com a realidade e com a verdade que muitas vezes choca. É muito mais cômodo ficar dentro da caverna, no mundinho que sempre conhecemos, achando que aquela nossa versão da realidade é a verdadeira. Ou que é verdade o que nos chega filtrado pela televisão, pelos jornais, pelas revistas. Somos manipulados por interesses, recebendo de maneira ‘mastigada’ uma versão distorcida dos fatos, e confundimos as sombras publicadas com a verdade e a realidade.
Se não engano, foi o filósofo armênio Gurdjieff que, em um de seus escritos, disse acreditar na reencarnação, mas de uma maneira diferente. Não como planta ou animal nem outra pessoa, mas como você mesmo. Ou seja, você deveria viver sua vida novamente, até acertá-la, tomando as decisões difíceis que evitou, por preguiça, acomodação, medo ou ignorância, reencarnando eternamente como você mesmo, castigado e proibido de evoluir, por não ter tomado as decisões que deveria.
É uma forma interessante de ver as coisas, pois o obriga a pensar nas suas decisões de maneira completamente diferente, sabendo que, se você não fizer a coisa certa, vai ter que voltar e voltar e voltar até acertar e viver de verdade. Ou seja, é preciso sair da caverna, encarar a luz da verdade, acostumando-se a pensar livremente, sem as amarras criadas pela educação, família, pressões da sociedade e, ultimamente, pela mídia também.
Significa ficar em pé e não viver de joelhos, ou arrastando-se. Significa nascer original e morrer original, porque a maioria das pessoas nasce original e morre uma cópia. Significa fazer algo de valor com sua vida, deixar sua marca neste mundo, ser humano como só você pode ser. Significa arriscar-se a sair da caverna, a ficar momentaneamente cego, a enfrentar as críticas e dúvidas dos descrentes, dos ignorantes, dos acomodados. Significa viver a vida de forma valente, como um herói ou heroína, seja quais forem suas condições e sua realidade. Significa ter um ideal, uma aspiração, um projeto de vida, e dedicar-se a melhorar sua vida e a dos outros, por mais duro que seja. Significa testar-se, descobrir seus limites, viver plenamente, não economizar-se para amanhã. Estar vivo é um presente, temos a obrigação de agradecer a dádiva com honra. Viva de maneira correta e corajosa desta vez – agora! lembre-se: se você não tomar estas decisões, é bem capaz que tenha que voltar, e voltar, e voltar, até acertar. Por que não ter a coragem de acertar agora?

Raúl Candeloro (raul@vendamais.com.br) é palestrante e editor das revistas VendaMais®, Motivação® e Liderança®, além de autor dos livros Venda Mais, Correndo Pro Abraço e Criatividade em Vendas. Formado em Administração de Empresas e mestre em empreendedorismo pelo Babson College, é responsável pelo portal www.vendamais.com.br.