Discutir ou Ofender
Por Rogerio Martins
04/02/2010

Recentemente passei por mais uma situação curiosa. Ao responder uma mensagem em determinado grupo virtual de RH fui surpreendido com uma resposta pública de um participante, desferindo ofensas ao meu posicionamento.

Inicialmente foi um choque. Afinal, cada um tem sua opinião, seus valores, seu posicionamento. Cabe ao outro expor respeitosamente seu ponto de vista. Porém, tenho percebido e vivenciado que recentemente as pessoas andam cada vez mais agressivas e ofensivas.

Imagine você comentar com colegas sobre sua preferência futebolística? Ah, imagine se você torce para um time diferente da maioria? O que há de mal nisso?

O mal está na forma. O mal está no jeito com que as pessoas se colocam diante do diferente. Parece, para alguns, ser mais fácil criticar, ofender, espancar do que pensar sobre outra perspectiva.

Vivemos o "império da intolerância". Lembro do antigo personagem do ator Marco Milani (acho que é isso) que tinha como bordão: "tolerância zero!" Era divertido, pois as situações que o comediante passava eram realmente irritantes para a maioria das pessoas.

A questão é que isto está se tornando uma febre. Está no trânsito: quando o sinal fica verde (no semáforo) o desesperado que está atrás já está com a mão na buzina. E o pior é que contagia outros "delinquentes".

Está na escola: quando um aluno não gosta de outro simplesmente vai lá e bate, mata, arrebenta o outro. Que tipo de valor está sendo ensinado nas escolas?

Está nas empresas: quando um funcionário discorda da opinião do chefe é sumariamente demitido. Que empresa cresce quando todos pensam e fazem tudo igual?

Está na internet: quando você emite uma opinião contrária a alguém é publica e impiedosamente atacado. Hoje a internet tem uma força para criar e destruir "ídolos".

É preciso ter cuidado. Muito cuidado. Afinal, estamos falando de pessoas. Tolerância é fundamental. Porém, tolerância é diferente de aceitação. Posso não concordar, mas respeito. Posso pensar diferente, mas procuro comprender o outro ponto de vista.

Para praticar a tolerância é preciso pensar antes de agir. É ter controle sobre as emoções destrutivas e colocar mais amor em tudo o que faz. Afinal, somos todos semelhantes, apesar de todas nossas diferenças.

Rogerio Martins é Psicólogo, Consultor de Empresas e Palestrante. Especialista em Liderança e Motivação. Sócio-Diretor da Persona Consultoria e Eventos. Autor do livro Reflexões do Mundo Corporativo. Membro do Rotary Club de SP Santana (Distrito 4.430).