Fatores de Retenção de Clientes
Por Dill Casella
10/07/2008

Assistindo à uma interessante palestra de Ewaldo Endler, presidente da IMB Brasil, tive a oportunidade de refletir sobre minha história no mundo corporativo. A palestra falou de assunto especial, maravilhoso e intrigante que relatarei abaixo.

Segundo a Revista Forbes, em 2007 foi realizada pesquisa em um universo de 7000 executivos que questionava aos mesmos: “Quais são os fatores de retenção de talentos?”

E as respostas, acompanhadas de respectivo percentual de adesão dos executivos foram as seguintes:

1) Autonomia e a liberdade para executar o trabalho (95,1%)

Então eu não estava errado? E você, leitor, também não está! Todos nós temos que trabalhar segundo regras, é claro, mas elas podem ser questionadas, desafiadas, propostas para serem transformadas, aperfeiçoadas, simplificadas! E mais, não existe nada mais gratificante que saber para onde devemos ir e construirmos nosso caminho!! A autonomia e a liberdade oxigenam o processo criativo e talvez esse não seja o desejo de muitas corporações...

2) A importância e o desafio das missões delegadas (94,9%)

Atente para o fato de que delegar missão é totalmente diferente de delegar tarefas! Missões podem originar novas missões e também tarefas, mas jamais, repito: jamais será possível transformar tarefas em missões. Criar missões ou tarefas é a responsabilidade nº 1 dos líderes!! Puxa vida, como eu não estava errado, meu caro último líder...

3) A ética na empresa (94%)

Tenho visto muitas empresas com discurso politicamente correto, visão, missão, valores super bem escritos e sem a menor congruência de ações. Ética não é o que se deve fazer e sim o que se faz, de fato! E o talento, quando munido de certa ética, passa a discordar da “atmosfera” até por princípios e, na primeira oportunidade, deixa a corporação...

4) A qualidade dos gerentes e dirigentes (92,3%)

Conheça o perfil de seu líder e projete o que ele é capaz de fazer! Ele está preparado para o que faz? Aceita colaboração construtiva para seu aperfeiçoamento? Espero que sim!

5) Perspectiva de evolução de carreira (91%)

Ser “carreirista” é uma virtude! Desde que essa construção não aconteça a qualquer custo! Sim, conheci muita gente capaz de tudo para crescer, principalmente os que destruíram promissoras carreiras de colegas, atropelando-os. Alguns se deram bem...a maioria “bateu na curva seguinte”...

6) O ambiente de trabalho (89%)

Falo do ambiente físico e do clima. Ah, como é moderno falar de “clima organizacional”. As empresas gastam fortunas fazendo pesquisas sobre o assunto e pouco mudam ou investem na mudança comportamental de seus líderes e colaboradores. A palavra da vez é comportamento!!
Eu também não estava errado quando reclamava que trabalhar entre um rio poluído, uma favela, uma usina de queima de lixo, em um prédio sucateado não me motivava...

7) Salário (79,2%)

Interessante como o tópico só aparece na sétima posição! Aumentar salários, resolve a questão de retenção de talentos por no máximo 6 meses, eu garanto!!

Ah, e o pacote de benefícios? Aparece na décima primeira posição (com 52,9%). Então, os anúncios de busca de talentos, as negociações de contratação, enfim, tudo está errado? Em muitos casos sim!

Todos os fatores relacionados acima, representam novidade? Não, não são! Sabemos disso e por que não fazemos? Porque dá trabalho e é necessário que se mude muita coisa na cultura da empresa! Tem um monte de resistências para que a mudança aconteça, a começar, na maioria das vezes, de quem deve decidir por ela.

O profissional de talento quer ser significativo, conviver com pessoas que inspirem respeito e confiança, em um ambiente ético e íntegro para poder realizar seu potencial!!

Ah, por isso que nos últimos anos da minha vivência corporativa eu focava na construção de uma nova carreira! Estar bem remunerado, com um interessante pacote de benefícios parecia ser tudo, mas não passava de porto seguro e de fonte financiadora de meu aperfeiçoamento para construção desta atual carreira. Valeu sim! Agradeço imensamente, mas lamento que estavam na curva de empresas normais...e eu, fora da curva, graças a Deus!!

Dill Casella (www.dill.com.br) é Engenheiro Civil, pós graduado em Marketing, especialização em Desenvolvimento Gerencial e Empreendedorismo pela FDC e Practitioner pela SBPNL. Com mais de 15 anos em cargos de liderança de empresas de primeira linha, realiza palestras em vendas, atendimento ao cliente, liderança e motivação. Também é compositor, músico, escritor e ator amador.