Inovar ou Morrer
Por Gilclér Regina
18/07/2008

No futuro teremos dois tipos de empresas: As rápidas e as mortas!

Revisando todo meu material que tenho guardado todos estes anos encontrei esta matéria que havia escrito no dia 26 de outubro de 1997 para minha coluna na época do jornal O Estado do Paraná, chamada de Momentos de Qualidade e viajei por estes anos que passaram.

Percebi que os personagens mudam... A história continua a mesma. Ou seja, muitos naufragaram, outros emergiram. E continua prevalecendo a idéia de inovar ou morrer.

As grandes transformações continuam acontecendo numa velocidade cada vez mais rápida. Mesmo porque os caminhos que nos trouxeram até hoje não serão os mesmos que nos levarão ao futuro.

A grande preocupação hoje já não é mais com a mudança, mas com a velocidade com que ela ocorre.

Existe um oceano entre o saber e o fazer. O sucesso é de quem faz. Inteligente não é quem sabe tudo... É quem aplica aquilo que sabe.

Quem ficar esperando para ver o que vai acontecer será simplesmente atropelado... Não vai dar nem tempo de saber se foi atropelado por uma carreta ou por uma locomotiva.

O mundo é composto por novos ricos que são ex-pobres e novos pobres que são ex-ricos... O dinheiro não acaba, apenas muda de mão. A melhor receita para perder mercado é: Fazer as mesmas coisas do mesmo jeito, sempre.

Hoje, os conceitos mudaram e até o porteiro precisa ser treinado para atender melhor o cliente, afinal, quem garante o emprego dele é o cliente mesmo, tanto quanto a sobrevivência e a competitividade do negócio.

Sam Walton, fundador da Wal-Mart, a empresa que tem hoje o maior faturamento do Planeta Terra, registrado no último balanço em 315 bilhões de dólares, disse certa vez: “Clientes podem demitir todos de uma empresa, do alto executivo para baixo, simplesmente gastando seu dinheiro em algum outro lugar”.

Entendo que nos dias atuais, mais do que formar especialistas por áreas de atuação, o ideal é formar uma cultura de pessoas motivadas para atuar. E isso é tão importante quanto à necessidade de tecnologia na empresa.

Existem dois tipos de pessoas no mundo, as que fazem e as que reclamam. Assim, as empresas promovem dois tipos de situações para seus clientes: Momentos mágicos e momentos trágicos. Qual dos dois é você?

A regra única de sucesso para todo profissional, para toda empresa, em qualquer parte do mundo é: Surpreender o mercado. Nada será mais importante do que isso.

E para que isso aconteça, a outra regra mais importante é: Pessoal comprometido.

Não existe negócio, não existem metas, sequer existem objetivos, sonhos, pessoas felizes e ideais que se cumpram se não tiver um pessoal motivado para aprender e comprometido para buscar resultados.

Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!

Gilclér Regina é Consultor, Escritor e Palestrante no Brasil e exterior. autor de livros e CD's que já atingiram a marca de 4 milhões de unidades comercializadas. Realiza mais de 100 palestras por ano em Convenções de Empresas. Tem formação em Dinâmica Humana pelo The National Value Center- Texas-EUA, em TQM pelo ASQC American Society for Quality Control-Winsconsin-EUA curso de Desenvolvimento e Gestão Humana pelo The Graves Technology. É presidente da empresa CEAG Desenvolvimento de Talentos e Editora Ltda. É também articulista de aproximadamente 300 revistas, jornais e sites. Uma pessoa de origem humilde que tornou-se um dos Conferencistas mais procurados para os eventos e convenções no Brasil. Site: www.ceag.com.br