A Inveja - Veneno para a nossa alma
Por Maria do Rosário Martins da Silva
30/04/2006

Considere a raiva como sendo sua inimiga. Não a convide para sentar e tomar chá com você. Previna-se porque ela é muito esperta. Tocar no assunto inveja é bastante delicado, pois poucos sabem que todos nós temos esse sentimento, porém, o que diferencia sua relevância é conhecer profundamente o verdadeiro sentido da palavra e a melhor maneira de compreender quando a inveja torna-se nociva nas relações pessoais e profissionais.

Quando digo que todos temos é porque estamos sempre com os olhares voltados para o outro, porém, a inveja é administrada para o bem ou o mal nas relações, sejam elas interpessoais ou profissionais. A origem latina da palavra inveja é "invidere" que significa "não ver", um sentimento antigo na história da humanidade.

Muitas guerras foram deflagradas e injustiças foram cometidas movidas pela inveja. Hoje, ela atrapalha a vida de muitas pessoas, incluindo mulheres, principalmente no mundo corporativo.

O Cristianismo inclui a inveja nos Sete Pecados Capitais, como um dos sentimentos mais danosos que um ser humano pode ter em relação a outro. Na Bíblia, a história dos irmãos Caim e Abel é clássica - a inveja de Caim levou-o a matar o próprio irmão. Quando esse sentimento ultrapassa os limites de nosso auto-controle, pode tornar-se um verdadeiro veneno contra os outros e contra nós mesmos. Diversas são as histórias conhecidas de pessoas que sofreram retaliações, sendo totalmente prejudicadas pelo sentimento de inveja de um colega, chefe ou até mesmo dentro da própria família, passando a serem perseguidas e viram sua vida se transformar, sem nem mesmo entender o porquê.

Nas organizações, a inveja aparece de diversas maneiras como, por exemplo, a fofoca, que é capaz de trazer conseqüências sérias para quem for o alvo. Também surge através do uso do poder onde o nível de exigência ultrapassa os limites do outro por parte da chefia, tendo o poder de depreciar e atingir seriamente as pessoas envolvidas.

Corroído pelo sentimento da inveja, o homem é capaz de manipular pessoas e informações, e até mesmo forjar situações em que alguém possa ser prejudicado. De acordo com Dadi Gulzar, especialista na área de Recursos Humanos, “a origem da inveja é a falta de auto-respeito. Imagine um jardim com vários tipos de flores.

Cada uma possui cor e fragrância diferentes, mas todas são belas. Da mesma forma, cada ser humano possui pelo menos uma especialidade que o difere de todos os demais.

Algo muito, muito singular. Quando não consigo enxergar o meu próprio valor, passo a desejar o valor do outro. Este sentimento não é benéfico nem para mim, nem para o outro.” Esse sentimento acaba muitas vezes fazendo mal tanto para quem sente como para quem é prejudicado por ele. Recentemente ocorreu um fato noticiado pela imprensa local de um bancário, que após anos de carreira foi promovido a gerente, o que lhe daria direito a uma sala melhor, equipamentos de alta tecnologia. Seu superior, não suportando ver o sucesso de seu colaborador, ordenou que ele fosse colocado em uma sala muito inferior ao que o cargo lhe oferecia bem como os piores equipamentos como computadores ultrapassados.

Esse caso foi parar na justiça como o funcionário reclamando danos morais. Quem deseja se livrar desse sentimento nocivo, deve reconhecer suas próprias qualidades, ter auto-estima elevada, e ficar feliz consigo mesmo, sentindo-se uma pessoa plena. A partir daí, conseguirá olhar para o sucesso do outro de uma outra forma, pois todos os sentimentos que temos pelas outras pessoas funcionam como um bumerangue, ou seja, o que sinto pelo outro volta mim. Cultivar bons sentimentos só faz bem para a mente, o corpo e o coração!

Maria do Rosário Martins da Silva é Mestre em Marketing. Especialista em Recursos Humanos e Marketing. Professora em cursos de Graduação e Pós-Graduação. Palestrante nas áreas de Motivação, Empreendedorismo, Recursos Humanos, Marketing, entre outros. Experiência em desenvolvimento de pessoas nas áreas de Marketing, Recursos Humanos, Empreendedorismo, Dinâmicas de Grupos, Jogos de Empresas, Técnicas Vivenciais e Oratória. Contato: zarinhamartins@hotmail.com