O Paradigma do "Dono" da Empresa
Por Antomar Marins e Silva
05/05/2010

Um dos maiores paradigmas das pequenas e médias empresas no Brasil está associado aos "louros do passado", ou seja, muitas organizações obtiveram sucesso em determinado momento de suas vidas, utilizando um determinado conhecimento e até hoje vivem dessa glória como se isso assegurasse o sucesso do futuro. Sabe-se hoje que a transformação acelerada do ambiente de negócios de uma organização ocorre em grande velocidade. Por isso, é preciso repensar os seus caminhos a cada três meses.

Um dos maiores exemplos de efeito causado por esse tipo de postura do dono da empresa, está sintetizado nas palavras de Martin Ackerman, presidente do The Saturday Evening Post ao encerrar as atividades do seu jornal: Este é um dos dias mais tristes de minha vida: triste para mim, para nossos empregados, auxiliares e diretores e, de fato, para o público americano. Aparentemente, não existe mais necessidade de nosso produto no esquema de vida atual.

Certamente a história seria outra se Ackerman tivesse mudado seus paradigmas, assim como seriam outras as histórias de empresas no Brasil que fecham as portas todos os dias.

Entretanto, outros paradigmas vêm embotando o crescimento de inúmeras empresas de pequeno e médio portes, e até de grandes. São eles:

Atitude Defensiva

O que é ter uma atitude defensiva? É opor-se às mudanças, aprimoramento ou inovação com medo, por exemplo, de expor-se perante a equipe, perder a liderança ou, como certa vez escreveu R. O. Loen: É como considerar que essas mudanças sejam críticas aos seus esforços do passado.

Uma das formas mais claras de defesa ocorre quando o empresário contrata uma empresa, um consultor ou um especialista para realizar determinado estuda em sua organização, e pouco ou nada faz no sentido de implantar as recomendações.

Ser Acomodado

Pode-se até achar graça, mas existem nas organizações donos que são totalmente inertes, isto é, não fazem o menor movimento para não se comprometerem. São pessoas que não fazem e não aceitam coisas novas, ou o que é pior, nunca fizeram ou aceitaram no passado.

Não Ter Objetivos

Um sábio desconhecido, há muitos séculos antes de Cristo, disse: A vida se assemelha a uma grande festas de jogos.Alguns a ela comparecem para medir-se em lutas, outros para tratar de seus interesses. Outros, porém, comparecem como simples espectadores...

É difícil imaginar, mas existem empresários que passam a vida inteira vendo a vida passar... e seus concorrentes a ultrapassá-lo!

Tantos outros paradigmas poderiam aqui ser citados, porém os aqui citados já são suficiente como exemplo.

Vencida essa etapa, como implantar um novo modelo de gestão na empresa? Isto já é outra história para outro artigo!

Fontes:

SILVA, Antomar Marins e - Cuidado, Você Pode Estar Ficando Obsoleto!, Rio de Janeiro, ADN - Administração de Negócios, Ano X, Nº 23.

LOEN, Raymond O. - Manage More by Doing Less, São Paulo, McGraw-Hill.

Antomar Marins e Silva é Escritor e Consultor de melhoria de resultados de negócios das organizações e especialista em gestão estratégica, professor e facilitadores de treinamentos para os níveis tático e estratégico das empresas. Autor dos livros Sonhar é para Estrategistas; Gestão Estratégica de Negócios: Pensamentos e Reflexões; Qualidade: O Desafio da Secretária; Desperdício: Como Eliminá-lo Através dos 5S´s, Lições Aprendidas; Empreendedorismo Empresarial; Motivação e Artigus, além de mais 500 artigos técnicos publicados no Brasil e no exterior. Detentor de inúmeros prêmios profissionais, além de honrarias nacionais e internacionais. email: antomar.marins@gmail.com