Como obter mais produtividade durante o dia
Por Rogerio Martins
06/05/2011

Qual horário do dia você se sente mais produtivo? Você rende mais de manhã, a tarde, a noite ou de madrugada? Claro que esta pergunta se refere a questão profissional. Porém, também pode ser estendida para outras questões. O fato é que o ser humano foi biologicamente projetado para render mais no período matutino.

Em recente pesquisa aqui no blogrogeriomartins onde foi perguntado "qual horário você se sente mais produtivo", a maioria das pessoas (45%) respondeu entre 10h e 14h.
Outros 16% apontaram o início do dia, que corresponde das 6h às 10h. As demais escolhas tiveram a seguinte pontuação: 14h às 18h com 12% de preferência; 18 às 22h com 8% de votos:; e 16% escolheram entre 22h às 6h.

Certamente que esta é uma questão pessoal, mas estudos da cronobiologia e neurociência indicam que - na média - somos mais produtivos nas primeiras horas da manhã. Nosso organismo age sincronicamente despejando hormônios que nos fazem estar mais dispostos para certas atividades ao longo do dia. Atividades que requerem maior atenção, como estudar ou participar de uma reunião, terão maior sucesso durante o período da manhã. Neste momento nosso cérebro está mais descansado e atento, portanto, mais predisposto a raciocinar de modo mais produtivo.

Agendar atividades que exigem concentração para o período após o almoço é um grande risco. Você já deve ter participado de alguma reunião ou curso onde quase dormiu, pois a sensação de sonolência pós-refeição é enorme. E durante a noite? Aula, curso ou palestra noturna requer um empenho maior do professor para que tenha a atenção dos alunos.

Professores que apresentam suas aulas ou palestras no modo antigo - aulas meramente expositivas - estão fadados ao fracasso total. É preciso envolver os alunos com atividades variadas. Quando lecionava em uma faculdade da grande SP sempre ficava atento ao ritmo dos alunos. Algumas vezes tive de modificar alguma aula improvisando uma atividade mais participativa para que todos se sentissem atentos e interessados. É um grande desafio para todos.

Porém, ainda tem gestor que insiste em agendar atividade que requer tomada de decisão e análise profunda no fim do expediente. É outra "roubada", pois além das pessoas estarem dispersas, com vontade de ir embora, o organismo já não reage da mesma forma, com a mesma capacidade para analisar informações como no período da manhã. Fique atento! Uma coisa é fazer isso esporadicamente, por uma necessidade não prevista; outra é ter esta postura como forma de manter os funcionários mais tempo na organização.

TEMOS QUE RESPEITAR AS DIFERENÇAS

O curioso de tudo isso é que o melhor horário para praticar esportes ou atividades físicas, segundo os cronobiologistas, consiste no período entre 16 e 20 horas. Existem razões concretas para isso e entre elas está a de que nosso organismo - músculos e articulações principalmente - estão devidamente aquecidos para algum esforço físico.

Claro que temos de respeitar a individualidade. Eu mesmo sempre me considerei mais produtivo no fim do dia e começo da noite. Porém, aqueles que vivem no mundo corporativo, regido pelo horário comercial, devem buscar um ajuste para não escorregar na produtividade. Imagine um profissional que se considera mais produtivo a partir das 16 horas, sendo que seus clientes, fornecedores e parceiros exigem dele respostas e ações logo cedo. É provável que seu rendimento seja muito ruim, prejudicando suas relações comerciais. Há duas soluções: ou muda-se os hábitos pessoais ou de atividade.

Uma dica importante que sempre passo aos meus alunos do curso de administração de tempo é realizar as atividades mais difícieis e complicadas nas primeiras horas do dia. Quando fazemos isso já retiramos da frente aquilo que poderia se tornar um grande problema. Além disso estamos com a cabeça mais tranquila e arejda facilitando as decisões e concentração. Com o passar do dia vamos acumulando pequenos desgastes e pressões. Quando deixamos algo complicado para ser resolvido no fim do dia a chance de não conseguirmos encontrar uma resposta satisfatória é proporcional a pressão por resolvê-la.

Observe e anote os momentos do dia em que se sente mais disposto nas mais diversas atividades. Organize para que possa conciliar sua jornada de trabalho com atividades de lazer e socialização. Dentro do possível, estruture suas atividades para distribuir aquelas que exigem maior concentração e tomada de decisões para a parte da manhã (leituras técnicas, análises, reuniões, pesquisas etc). Aquelas que demandam mais rotinas para o período da tarde. Quando não conseguir ter esta divisão clara procure intercalar as atividades. Procure falar pessoalmente com pessoas no período da tarde, assim você também se movimenta até onde elas estão.

O importante, afinal, é buscar sua produtividade respeitando seus limites. As organizações irão sempre exigir o máximo de cada um de nós. Cabe a cada indivíduo saber onde quer chegar e de que forma pretende atingir seu máximo potencial. Lembre-se que ninguém é obrigado a nada, pois todos temos o livre arbítrio de escolher os rumos de nossas vidas, mesmo que a média diga o contrário.

Rogerio Martins é Psicólogo, Consultor de Empresas e Palestrante. Especialista em Liderança e Motivação. Sócio-Diretor da Persona Consultoria e Eventos. Autor do livro Reflexões do Mundo Corporativo. Membro do Rotary Club de SP Santana (Distrito 4.430).