A Importância do Marketing de Relacionamento para as Organizações: Foco no Cliente Externo
Por Francielli José Primo Golveia e Wanderlan Barreto da Rosa
07/11/2011


RESUMO
Nesta pesquisa, será abordada a importância do Marketing de Relacionamento como um diferencial competitivo no processo de conquista, fidelização e retenção de clientes. Observa-se o uso da ferramenta Customer Relationship Management (CRM) pelas organizações, sua contribuição e benefícios nos processos de fidelização de cliente. Para que o estudo tenha embasamento científico, o mesmo foi conduzido através de pesquisa descritiva, com aplicação de entrevista pré-estruturada com características qualitativas.
Palavras-chave: Marketing de Relacionamento, Cliente e Customer Relationship Management .

ABSTRACT

In this research the importance of relationship marketing will be addressed as a competitive advantage in the process of attracting, retaining and establishing loyalty of clients. The Customer Relationship Management tool (CRM), as well as its contribution and benefits in the process of establishing customer loyalty, are analyzed inside organizations. In order to achieve a scientific basis, this study was conducted through descriptive research, with the application of a pre-structured interview with qualitative characteristics.

Keywords: Relationship Marketing, Customer, Customer Relationship Management.

INTRODUÇÃO
As organizações estão vivenciando uma nova fase, em que a concorrência está cada vez mais acirrada. Essa disputa ocorre para conquistar um bem maior: o cliente.
Os clientes, por sua vez, estão mais difíceis de agradar, estão mais exigentes, conscientes de preços, buscam a excelência em tudo que consomem, seja na aquisição de novos e melhores produtos ou na qualidade do atendimento que recebem. É nesse momento que as organizações precisam compreender essa realidade, para que o processo de conquista e fidelização de clientes seja não só eficiente, mas também lucrativo.
A empresa que consegue administrar o seu relacionamento com o cliente adquire vantagem e se destaca em relação às outras. O objetivo é manter os seus clientes com uma relação de credibilidade e confiança, o que possibilita construir relacionamentos duradouros.
A satisfação do cliente vem a ser uma ferramenta indispensável para medir um produto ou serviço oferecido. Esse parâmetro pode ser obtido através da comparação entre a oferta e a expectativa do cliente. Satisfazer o cliente é suprir suas expectativas e necessidades, e para isso as organizações precisam ser orientadas para o cliente.
Sabemos que as expectativas do cliente vêm através de compras anteriores e propagandas sobre os produtos, além de indicações de amigos ou parentes. Não é fácil suprir essas expectativas, já que a organização não sabe ao certo o que o cliente espera. Mas ela deve captar o máximo de informações sobre seus clientes para trabalhar cada um deles, de acordo com sua necessidade ou expectativa.
As organizações buscam apoio no Marketing para conquistar os consumidores, de forma que esses se tornem fieis à marca e/ou organização.
O Marketing de Relacionamento é uma ferramenta de extrema importância para as organizações se sobressaírem no mercado. Dentro do Marketing de Relacionamento existem várias vertentes, que as organizações podem adotar para obter sucesso no processo de fidelização do cliente.
Nesse artigo, abordam-se os tópicos acima citados e realiza-se uma análise sobre gestão do relacionamento com o cliente, utilizando-se do CRM (Customer Relationship Management) como estratégia para auxiliar o processo de conquista e fidelização de clientes.

2. METODOLOGIA
É de vital importância que este trabalho seja elaborado através de métodos, e que esses métodos sejam científicos, pois “não há ciência sem o emprego de métodos científicos” (Marconi e Lakatos, 2001, p.44).
Sobre métodos, Hegenberg (1976, p.115) afirma que este é o caminho pelo qual se chega a determinado resultado, ainda que esse caminho não tenha sido fixado de antemão de modo refletido e deliberado. É necessário que haja um caminho seguro, para que a pesquisa seja desenvolvida e alcance o objetivo esperado.
Este trabalho é uma pesquisa do tipo descritiva, pois se utilizou de técnicas padronizadas de coleta de dados, tais como questionário (Marconi e Lakatos, 2001, p.42) aplicado como entrevista pré-estruturada com características qualitativas.
De acordo com Marconi e Lakatos (2001, p.269), a metodologia qualitativa preocupa-se em analisar e interpretar aspectos mais profundos, descrevendo a complexidade do comportamento. Nesse tipo de pesquisa dados como hábitos, atitudes e comportamentos são analisados de forma mais detalhada, o que nos permite um maior embasamento no desenvolvimento deste.
Assim sendo, a coleta de dados ocorreu em dois momentos. No primeiro fez-se a pesquisa bibliográfica. Segundo Marconi e Lakatos (2001, p.44):

A finalidade da pesquisa bibliográfica é colocar o pesquisador em contato direto com tudo aquilo que foi escrito sobre determinado assunto, com o objetivo de permitir ao cientista o reforço paralelo na análise de suas pesquisas ou manipulação de suas informações.

No segundo momento utilizou-se a entrevista pré-estruturada com características qualitativas, que é usada quando se busca percepções e entendimento sobre determinado assunto ou questão. Para a interpretação dos resultados, fez-se uma análise de texto para melhor compreender e analisar os dados colhidos.

3. REFERENCIAL TEÓRICO
3.1. CONCEITO DE MARKETING
Com a era da modernidade, o mercado está repleto de novos produtos, novas marcas, tecnologias avançadas, preços para atender vários tipos de consumidores e organizações buscando seu espaço nessa intensa competição. É nesse ambiente que as organizações definem suas estratégias de marketing, como vencer essa disputa, ganhar mercado e fidelizar clientes.
Segundo Dias (2004, p.02):
Marketing pode ser entendido como a função empresarial que cria continuamente valor para o cliente e gera vantagem competitiva duradoura para a empresa, por meio da gestão estratégica das variáveis controláveis de marketing: produto, preço, comunicação e distribuição.

O Marketing é uma ferramenta utilizada nas organizações para que a mesma possa se sobressair no mercado e melhor atender os clientes, com o intuito de fidelizar os mesmos e obter lucratividade.
Las Casas (2010, p.03) define o termo Marketing como “ação no mercado”. As organizações utilizam o Marketing em várias situações do dia a dia. Cita-se, por exemplo, o lançamento de um novo produto, formação de preço e segmentação de clientes, dentre outros.
As organizações buscam fazer parte desse mercado competitivo, mas não é só isso. Com o Marketing, as organizações entenderam que para fazer parte dessa competição não é necessário apenas produtos de boa qualidade, marca ou preço acessível. As organizações entenderam que suas estratégias de marketing precisam estar voltadas para o cliente, suprir suas necessidades e expectativas e melhorar o relacionamento entre organização e cliente.
Kotler (1985) traz outra definição de Marketing, que convida à reflexão e debate. Para ele "Marketing é a atividade humana dirigida para a satisfação das necessidades e desejos, através de processos de troca”. Em outro momento Kotler afirma (2003):

“Marketing é a função empresarial que identifica necessidades e desejos insatisfeitos, define e mede sua magnitude e seu potencial de rentabilidade, especifica que mercados-alvo serão mais bem atendidos pela empresa, decide sobre produtos, serviços e programas adequados para servir a esses mercados selecionados e convoca a todos na organização para pensar no cliente e atender ao cliente."

Diante desses conceitos percebe-se grande evolução da definição de Marketing, e nesta última definição Kotler enaltece, de certo modo, a importância do envolvimento de todos na organização para pensar no cliente. Isto representa a busca pela excelência no relacionamento com o cliente.

3.2. CONCEITO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO
O Marketing de Relacionamento surgiu na década de 90, quando as organizações entenderam que os clientes tinham vontades e necessidades diferentes, ou seja, os serviços e produtos oferecidos a todos não poderiam ser os mesmos. Pesquisado a respeito encontra-se em Grönross (1995) apud Toledo, Rocha e Nucci (2004) que a meta do marketing de transação é conquistar clientes, enquanto a meta do Marketing de Relacionamento é manter clientes.
Segundo Las Casas (2010, p.25) Marketing de Relacionamento ou after-marketing são todas as atividades de marketing destinadas a manter um cliente em situações de pós-vendas.
O Marketing de Relacionamento é uma ferramenta de gestão de relacionamentos utilizada pelas organizações para que as mesmas tenham sucesso na fidelização de clientes e na rápida aceitação de novos produtos e serviços lançados ao mercado diariamente.
O objetivo principal do Marketing de Relacionamento é construir e/ou aumentar a percepção de valor da marca, de seus produtos e serviços e a rentabilidade da empresa ao longo do tempo, a partir de estratégias de comunicação e de relacionamento propriamente dito com todos os seus stakeholders, integrando suas ações desde o projeto de um produto ou serviço ao desenvolvimento de processos, venda e pós-venda.
(http://www.portaldomarketing.com.br/)

As organizações buscam manter relacionamentos duradouros com os clientes, fazendo com que estes deixem de ser apenas consumidores esporádicos e passem a ser clientes fiéis.
As organizações voltadas para o cliente elaboram estratégias de Marketing de Relacionamento para que seus produtos e serviços estejam cada vez mais próximos dos seus clientes, conquistando-os com o valor dos produtos entregues e a qualidade do atendimento que disponibilizam.
Para que a interação entre cliente e fornecedor exista e a organização possa obter sucesso em suas estratégias de Marketing de Relacionamento, é necessário que a mesma conheça o seu cliente, ou seja, a organização deve possuir dados atualizados sobre seus clientes para oferecer um produto ou serviço que possa suprir suas necessidades e expectativas. Moreira (2008, p.209) confirma esse raciocínio citando que estudar o comportamento dos consumidores é alimentar a empresa para que ela saiba atender as necessidades e possa desenvolver seu produto e serviço.
O Marketing de Relacionamento auxilia as organizações na complexa tarefa de conquistar e identificar os conceitos que o cliente valoriza, utilizando-se de estratégias que trarão benefícios para todos os envolvidos. Esse esforço constante, que é vivenciado pelas organizações, tem como objetivo fazer com que os clientes se apaixonem pelo produto que estão consumindo ou pelo atendimento que estão recebendo, tornando essa relação duradoura e lucrativa. Lovelock ( 2001,p.322) revalida esse conceito quando menciona que a satisfação e deleite do cliente podem ser projetados em um serviço ou a partir dele, dependendo da eficácia com que uma empresa orquestrar os processos de entrega tanto de suas ofertas básicas de serviços como de suas ofertas suplementares.

3.3. O MARKETING DE RELACIONAMENTO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO
As organizações bem sucedidas sabem que a chave para o sucesso é o encantamento de seu cliente. Para isso, elas utilizam o Marketing de Relacionamento como diferencial competitivo.
Segundo Lovelock (2001, p.132), o Marketing de Relacionamento envolve atividades destinadas a desenvolver ligações economicamente eficazes de longo prazo entre uma organização e seus clientes para benefício mútuo. Sendo assim, a organização que possui o Marketing de Relacionamento de forma ativa, envolvendo principalmente os funcionários que prestam serviços diretamente aos clientes, possui grandes chances de lucratividade a longo prazo.
Para que essa ferramenta seja utilizada em benefício da organização como diferencial competitivo, todos os envolvidos nesse processo, em especial os funcionários que lidam diretamente com os clientes, devem ser treinados e constantemente motivados para que o atendimento sempre encante o cliente que o receberá.
O Marketing de Relacionamento, associado a profissionais qualificados e motivados, resulta em prestação serviços de qualidade e bom atendimento aos clientes, encantando e fidelizando os mesmos. Em suma, trata-se de uma ferramenta extremamente competitiva.

3.4. CLIENTE E FIDELIZAÇÃO DE CLIENTE
3.4.1 Fidelização de Cliente
As pessoas físicas ou jurídicas que consomem um bem ou serviço de uma organização de forma esporádica são chamadas de consumidor. Quando o consumidor adquire os produtos ou serviços com frequência na mesma organização, este se torna cliente.
Segundo Bogmann (2002, p.36), cliente é a pessoa que compra os produtos ou serviços de uma organização, seja para consumo próprio ou distribuição dos mesmos. Por esse motivo é tão importante saber quem são os clientes, para que a organização saiba como satisfazer suas necessidades e superar suas expectativas.
Ao oferecer produtos ou serviços ao cliente, a organização deve entender que cada cliente é único e possui suas particularidades, necessidades e desejos. O objetivo da organização é proporcionar uma sensação de satisfação, prazer e encantamento ao cliente, quando este realizar uma compra ou receber um atendimento. Essa sensação percebida pelo cliente fará com que ele volte a consumir ou utilizar os serviços na organização. Esse é um fator importante que irá ditar se o cliente voltará à organização ou não. O cliente encantado voltará à organização e será um cliente regular, ou seja, passará a adquirir regularmente os produtos ou serviços (Bogmann, 2002, p.37). Recorrendo a Grönross, compreende-se que é mais trabalhoso formar uma grande carteira de clientes consolidada pela fidelidade, do que investir alto para conquistar-se um nicho de mercado. Porém, quando comparados, a carteira formada ao longo do tempo e consolidada aos poucos tem maior rendimento e cria maior valor para a empresa. Sendo assim, o relacionamento e a fidelização precisam ser vistos como estratégia permanente.
O objetivo das organizações na fidelização de seus clientes é assegurar que estes não migrem para a concorrência, e garantir para a organização retornos financeiros.
Las Casas (2010, p.35) comenta que fidelização significa que os clientes continuam a comprar de uma empresa porque acreditam que ela tenha bons produtos e serviços, e porque se sentem atendidos em suas necessidades e desejos.
A probabilidade de que clientes migrem para a concorrência é muito menor quando existe uma relação de fidelidade perante os produtos da empresa que utiliza o Marketing de Relacionamento de forma eficaz.
Clientes fiéis e satisfeitos geram lucros para a organização e são atrativos para novos clientes. Bogmann (2002, p.57) cita que “reter é muito mais barato que conquistar”. Se não se consegue reter, as novas conquistas não se concretizam e esse investimento de nada valerá, ou seja, o processo de fidelização e retenção de clientes exige uma manutenção constante.
A organização deve sempre ter foco em satisfazer seus clientes, mesmo que esse já seja considerado um cliente regular. A fidelização é um investimento de longo prazo, pois cliente satisfeito não significa cliente fiel. As necessidades e expectativas do cliente não são uma constante, e por esse motivo as organizações devem sempre procurar surpreender os clientes, e não o contrário.

3.4. CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT – CRM
Manter uma relação sólida e duradoura com o cliente e fazer com que este seja fiel aos produtos ou serviços que recebem é o objetivo de toda organização.
Com base no conceito de que cada cliente possui suas particularidades, as organizações estão personalizando o atendimento para melhor atendê-los, fidelizando assim seus clientes potenciais. Para a concretização desse processo, as empresas buscam auxílio no CRM.
Las Casas (2010, p.28) afirma que CRM é uma combinação de marketing com tecnologia, além de incorporar a filosofia de outras atividades ligadas ao relacionamento, objetivando a criação de valor.
Moreira (2008, p.210), por sua vez, explica que CRM significa entender o comportamento do cliente e desenvolver ações focadas em suas necessidades, a fim de obter retorno em lealdade e lucratividade.
Ambos definem CRM como uma ferramenta para auxiliar e melhor atender o cliente, e que com isso a organização obtém melhor lucratividade.
Uma análise deve ser feita na organização: quanto vale o cliente ao longo do tempo que este é consumidor de serviços e produtos, ou seja, os investimentos para fidelização do cliente devem ser avaliados pelo seu retorno.
A organização que possuir maiores informações sobre seus clientes poderá obter vantagens no mercado, pois terá acesso aos seus hábitos de compra e suas necessidades. Essas informações, ou até mesmo outras que a organização julgar importante, poderão ser transformadas em [...] táticas mercadológicas, objetivando fidelizar o cliente (Las Casas, 2010, p. 28).
O CRM é considerado uma ferramenta de vital importância no processo de gestão de relacionamentos da organização. Por se tratar de uma “junção” de tecnologia e recursos humanos, o CRM ajuda a organização a entender, classificar e gerir as informações detalhadas dos clientes-foco, informações essas que podem ser utilizadas como táticas mercadológicas.
O uso correto dessa importante ferramenta garante a ampliação do negócio através da retenção e manutenção de clientes potenciais.
Moreira (2008, p.213) cita que os funcionários são peças chave para o desenvolvimento de um CRM, antes mesmo da compra de um software ou de um hardware. Ou seja, para que os resultados sejam positivos, não basta apenas ter o CRM implantado em máquinas com alta tecnologia. É necessário que seja feita a compilação das informações e que esta, por sua vez, seja elaborada pelos funcionários que lidam diretamente com os clientes.

4. RESULTADO E DISCUSSÕES
O CRM é uma ferramenta que possibilita um melhor contato com o cliente, o que é confirmado por Las Casas (2010, p.28), que diz que esta combina marketing com tecnologia. O entrevistado explica que o CRM ajuda a desenvolver estratégias competitivas de atuação e comercialização de produtos e serviços, principalmente na inovação que Moreira (2008) confirma como “desenvolvimento de ações focadas em necessidades”.
A compreensão do comportamento do cliente é de fundamental importância no retorno tanto do ponto de vista de lealdade do cliente quanto de lucratividade da empresa (Moreira, 2008). O entrevistado afirma que a comunicação participativa facilita a obtenção de resultados e pode manter o convívio duradouro entre cliente e empresa, o que vai de encontro ao conceito de compreensão do comportamento do cliente.
O bom gerenciamento do relacionamento entre cliente e empresa é o melhor benefício proporcionado pelo CRM conforme é citado pelo entrevistado. No longo prazo, tal constatação é incorporada pela afirmação de Las Casas (2010, p.25) sobre o Marketing de Relacionamento, que corresponde a todas as atividades de marketing destinadas a manter um cliente em situações de pós-vendas.
Para o entrevistado, que é o proprietário da empresa, a equipe de vendas só deve ter acesso aos resultados proporcionados pelo CRM, assim como os números relacionados ao desempenho das vendas. Moreira (2008, p.213) discorda dessa abordagem, uma vez que ele cita que os funcionários são peças chave para o desenvolvimento de um CRM, antes mesmo da compra de um software ou de um hardware. A posição do entrevistado, portanto, pode afetar negativamente o resultado do uso da ferramenta.
As vendas, assim como o alinhamento do estoque, são planejadas com base no estudo do CRM, explica o entrevistado. Apesar de não estar dentro do enfoque deste trabalho, é preciso mencionar que neste ponto o CRM auxilia a gestão estratégica do produto, que é uma das variáveis controláveis do marketing convencional citadas por Dias (2004, p.02).
Segundo (Las Casas, 2010, p.28), táticas mercadológicas que objetivam a fidelização do cliente são elaboradas com base nas informações que a organização obtém deles por meio do CRM. O entrevistado afirma que o CRM traz benefícios por auxiliar no posicionamento do produto, principalmente considerando-se seu preço de mercado e o retorno obtido dos clientes cuja fidelização está sendo almejada.

5. CONCLUSÃO
Diversos autores defendem o uso do CRM como uma ferramenta competitiva e que traz inúmeros benefícios, como fidelização e retenção de clientes.
O CRM é uma ferramenta de alto custo, mas que pode trazer retorno satisfatório para a organização que a utiliza por permitir uma mensuração apurada dos resultados esperados.
Apesar de possuir a ferramenta, o entrevistado não faz o uso da mesma de forma satisfatória. O potencial de aproveitamento fica dessa forma reduzido, e os benefícios teoricamente possíveis decorrentes de sua utilização não podem ser quantificados
É preciso que as organizações tenham em seu quadro de colaboradores profissionais que possuam conhecimentos em Marketing de Relacionamento, para que estes por sua vez possam extrair o máximo dessa ferramenta. O retorno financeiro torna-se, portanto, uma realidade que justifica de forma sustentável o custo de implementação da ferramenta.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de Marketing: conceitos, planejamento e aplicações a realidade brasileira – 1ª Ed – 3ª reimpr.- São Paulo: Atlas.2010.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing- 12 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006

KOTLER, Philip. Marketing de A a Z. Editora Campus, 2003.

BASTA, Darci – MARCHESINI,Fernando Roberto de Andrade – Oliveira,José Antonio Ferreira, Sá,Luis Carlos Seixas de – Fundamentos de Marketing -2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV,2003.

BOGMANN, Itzhak Meir. Marketing de relacionamento: estratégias de fidelização e suas implicações financeiras – São Paulo: Nobel, 2002.

DIAS, Sergio Roberto. Gestão de Marketing. 1 ed. São Paulo: Saraiva,2004.

GRÖNROOS, Christian. Marketing. Gerenciamento e Serviço. Rio de Janeiro Campus apud Geraldo Luciano Toledo, Thelma Rocha, Paulo Nucci: O Marketing de Relacionamento e a Construção da Fidelidade do Cliente. Um Estudo de Caso em uma Empresa Brasileira de Seguros. VII SEMEAD, 2004

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa – 4º Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LAKATO, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos,pesquisa bibliográfica,projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos - 6º Ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LOVELOCK, Cristopher, Wright, Lauren. Serviços: Marketing e Gestão- 1º Ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

MOREIRA, Julio Cesar Tavares. Serviços de Marketing- Um diferencial competitivo- 1º Ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
http://www.portaldomarketing.com.br/


Francielli José Primo Golveia é Academica concluinte do curso de Administração da UNIC – FAIR – Rondonópolis - MT e Wanderlan Barreto da Rosa é Coordenador e Professor do curso de Administração – UNIC – Rondonópolis - MT