Loja Exclusiva ou Shopping Virtual - O que é melhor?
Por Sandra Turchi
11/10/2010

Se você está pensando em estruturar uma operação de e-commerce para sua empresa, com certeza já se deparou com essa e outras dúvidas. É natural, tendo em vista as opções para quem deseja se lançar no mundo do comércio eletrônico. A escolha entre ter uma loja customizada ou ter uma loja dentro de shoppings virtuais – que funcionam como os shoppings que conhecemos – está ligada a dois pontos principais: qual o objetivo da empresa e quanto ela deseja investir nesse novo projeto. Quer dizer, há necessidade de fazer um planejamento anterior. Uma loja virtual é um negócio novo, sendo assim, o empresário deve fazer um plano de viabilidade antes de evoluir em qualquer direção. Essa é a única forma de reduzir a taxa de mortalidade de novas empresas, que ocorre no mundo virtual, e também no real, e está em torno de 50%, segundo o Sebrae e a Camara-e.net, ou seja, metade das empresas não sobrevivem ao primeiro ano de operação. Relembro, com isso, da importância que um bom planejamento tem para os negócios.

Voltando à questão, se a empresa, no seu planejamento, definiu que o resultado das operações na web deverá ter grande participação no seu negócio, ou se a nova empresa é um negócio totalmente virtual, a sugestão é pensar em um desenvolvimento customizado, investindo um pouco mais, mas adequando o site de e-commerce às suas reais necessidades, não ficando assim presa a formatações pré-existentes, que ocorre na maioria dos shoppings virtuais.

Por outro lado, se a empresa já tem diversas lojas e deseja apenas “experimentar” o universo do comércio eletrônico, tendo poucas expectativas inicialmente com relação aos resultados, ou seja, ela deseja fazer um “piloto” de sua atuação online, então poderá utilizar o caminho dos shoppings virtuais, visto que são práticos e bem mais econômicos em termos de investimentos. E, feito esse “teste”, dependendo dos resultados, então ela poderá partir para um investimento maior.

Em qualquer das opções acima, vale lembrar que a operação no mundo virtual não deve ser considerada algo trivial. Exige dedicação, pois para a empresa ser encontrada na web ela deve investir em divulgação diferenciada, como por exemplo, nos buscadores como Google, Yahoo ou Bing, que são fundamentais, visto que em torno de 80% das pessoas pesquisam antes de comprar qualquer coisa.

E para ter bons resultados nesse campo ela deverá investir em SEM (Search Engine Marketing) que são técnicas para melhorar a posição do seu site nas “buscas orgânicas”, entre outras formas de divulgação, como links patrocinados, redes sociais, etc. No caso dos shoppings virtuais, em geral, esse trabalho de marketing é feito pelo próprio operador do shopping, mas é sempre aconselhável a empresa conhecer melhor sobre isso para que possa monitorar seus resultados.

Sandra Turchi é graduada pela FEA-USP, pós-graduada pela FGV-EAESP e MBA pela Business School São Paulo com especialização pela Toronto University e em empreendedorismo pelo Babson College em Boston. É superintendente de Marketing da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) instituição que administra o SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Site: www.sandraturchi.com.br - Twitter: http://twitter.com/SandraTurchi