O Marketing Digital na era da revolução digital
Por Luis Claudio S. Peixoto
30/01/2014

Quem acima dos 30 ou 40 anos de idade, não teve um televisor P&B em casa? Vocês se lembram da época em que, para mudar o canal, tínhamos de levantar do sofá e mexer no seletor da TV?
E telefone então? Era coisa de rico. Quem comprava uma linha telefônica para instalar em casa, ganhava ações da empresa prestadora do serviço e era obrigado a declarar no imposto de renda. Conheci pessoas que viviam com a renda de aluguéis de linhas telefônicas.
E as caixinhas de correio que ficavam nos muros ou nos portões das casas e que, hoje, foram trocadas por caixas eletrônicas que recebem centenas e até milhares de e-mails mensalmente.
Quanta transformação ao longo desses anos!. De onde viemos e para onde vamos, afinal?
Hoje em dia, praticamente todos têm, pelo menos, um dispositivo que permite acessar informações do mundo todo e em tempo real, quer seja um PC, um celular, um smartphone, um tablet, um notebook, etc...
O mundo mudou. As informações estão aí, disponíveis a todos, a qualquer tempo e sendo acessadas de qualquer lugar.
Os fatos são divulgados, ou melhor, compartilhados, praticamente em tempo real.
Não existe mais distância e nem delay para as informações.
O mundo se conecta à internet, ou a internet se conecta ao mundo? O fato é que a internet revolucionou a forma de pessoas e empresas interagirem e fazerem negócios.
O Brasil está entre os 3 maiores consumidores mundiais de mídias digitais.
Atualmente, os sites de mídias sociais e vídeos on-line já contam com mais audiência que a velha amiga TV.
Pessoas passam mais tempo utilizando celulares e smartphones com troca de informações e acessando conteúdos, do que realmente realizando ligações.
A internet é, notavelmente, o principal meio de comunicação, informação e entretenimento dos brasileiros.
É uma verdadeira revolução digital!.
Dos 199 milhões de brasileiros, mais de 80 milhões acessam a internet, ou seja, 40% da população.
Cerca de 90% destes internautas acessam redes sociais, passando em média 18% do seu tempo on-line. E 36% deste tempo on-line é utilizado para acesso a portais de conteúdo.
O Brasil é o segundo país do mundo com usuários que entram diariamente no Facebook. São cerca de 76 milhões de brasileiros acessando a rede e, desstes, temos a marca de mais de 1 milhão de empreendedores interagindo ativamente.
Por outro lado, estudos da Universidade de Princeton revelam que até 2017 o Facebook vai perder 80% dos usuários. Será?
Pode até ser. Assim ocorreu com o Orkut. Mas, com certeza, surgirão outras redes sociais, outras formas de comunicação, divulgação de imagens, vídeos e conteúdos.
Quem não se lembra do ICQ, do MSN e companhia limitada?
Atualmente temos um crescimento avassalador de ferramentas e aplicativos como WhatsApp, Snapchat, entre outros.
As pessoas se adaptam e aderem rapidamente a essas novidades.
Uma criança com menos de 2 anos já mexe e brinca com smartphones e tablets de seus pais.
Os empresários e os empreendedores brasileiros já se deram conta disso e sabem que necessitam ter presença na internet.
Eles precisam e devem expor suas marcas, produtos e serviços.
É por essa razão que a divulgação digital e a produção de conteúdo são fundamentais para as empresas e para a geração de negócios.
A consciência desses empresários e empreendedores sobre a necessidade de investimento em Marketing Digital já foi despertada e esse assunto está cada vez mais em pauta nas instituições.
O investimento em Marketing Digital e produção de conteúdo é extremamente importante para os negócios, tanto do ponto de vista institucional, para a exposição da marca, quanto da geração e captação de leads, visando melhores resultados de vendas. Mas, para isto, é necessário um planejamento adequado em “onde” e “como” investir, buscando assertividade e retorno.
Com certeza, há bastante trabalho a ser feito. Não existe uma forma mágica ou um padrão de atuação com Marketing Digital. Cada empresa é única, com sua cultura, seus colaboradores, seus produtos e serviços e, principalmente, com seu público alvo.
Cada caso é um caso e deve ser minuciosamente estudado, a fim de se encontrar a forma mais adequada para a produção do conteúdo digital.
Portanto, todo bom planejamento deve prever pesquisas de mercado, profundo conhecimento da base de clientes ou do público alvo e suas necessidades, definição de foco de atuação, entre outras coisas, para, a partir daí, pensar numa estratégia de Marketing Digital.
Existem várias ferramentas e meios digitais para apoiar essas questões. O próprio Facebook, por exemplo. Ou o Linkedin, o Twitter, o SlideShare, o Youtube, o Google+, o Instagram, os Blogs, as Newsletters, as campanhas no Google AdWords, os anúncios patrocinados etc.
Obviamente, todo este esforço tem de ser constantemente medido e ajustado, a fim de se garantir o retorno desejado.
O que é sabido é que, há tempos, não dá mais para a área de vendas das empresas fazer somente aquele trabalho ultrapassado de telemarketing com cold call, ou então apostar apenas no disparo viral de e-mail marketing, ou ainda em investimentos astronômicos em feiras e eventos que não trazem retorno algum.
Não adianta fazer a mesma coisa sempre, acreditando que haverá resultados melhores.
É preciso inovar, sair da caixa, ter boas ideias advindas de horas de brainstorm. É preciso experimentar, ousar, ajustar e, se necessário, tornar a fazer. E assim, seguir o ciclo.
É claro que existem as melhores práticas. Entretanto, tudo é muito mutável, principalmente agora, no auge dessa revolução digital. Por isso, é necessário inovar e fazer diferente o tempo todo.
É preciso estar atento e analisar bem o mercado e o comportamento das pessoas e suas demandas. Dessa forma, a empresa pode agir conforme as expectativas do seu público alvo.
Vale lembrar que os negócios são feitos por pessoas e, na maioria dos casos, as pessoas são movidas pela emoção, e não pela razão. Por essa razão, o Marketing Digital é extremamente válido e deve ser utilizado em prol do negócio.
Não fique cego às oportunidades, quebre paradigmas. Algumas iniciativas de Marketing Digital podem aumentar um pouco os custos, mas, com certeza, trarão retorno e aumentarão os lucros.

Luis Claudio S. Peixoto, está cursando MBA em Marketing Digital na FGV, é formado em Marketing pela FAPI e Processamento de Dados pelo Eniac. Atuante há quase 20 anos em Marketing e Vendas de empresas de TI - Sistemas e Consultoria, especialista em ERP´s