Marketing Pessoal (5): O poder da sua imagem
Por Reginaldo Rodrigues
27/06/2011

Se você está acompanhando nossa série de artigos sobre Marketing Pessoal acredito que já está desenvolvendo outras aptidões que não as técnicas. Acertei? Recebo diariamente diversos e-mails de leitores que inclusive guarda os artigos. Obrigado. Não se esqueça que o tempo corre contra você, se ainda está parado saiba que existem vár ios concorrentes seus que estão em ação. Hoje discorreremos sobre o valor da imagem. Temos que definir a maneira como queremos ser percebidos pelo mercado. Após essa definição, fazemos um Planejamento de Marketing Pessoal e começamos imediatamente a colocá-lo em prática.

O publicitário Chuck Lieppe, elevado a categoria de grande pensador graças a citação seguinte, o que já é resultado de Marketing Pessoal, dizia: "Aparentar ter competência é tão importante quanto a própria competência". Não há como negar que o mercado compra na maioria das vezes a imagem. Portanto o aspecto externo deve ser cuidadosamente trabalhado, pois é o primeiro a ser observado o que o torna componente importantíssimo na concepção da nossa marca pessoal. Nos estacionamentos vemos primeiro os carros mais bonitos. Nas festas disparamos olhares para as mulheres que estão mais bem vestidas, o mesmo vale para as mulheres em relação aos homens. Por mais que às vezes levemos pra casa laranjas sem cald o, ou maçãs que parecem isopor, sem sabor algum, no momento da escolha na banca eram as mais vistosas.

Li em algum lugar, lamento não informar a fonte já que desconheço o autor, e repito sempre aos meus alunos e clientes: "nunca teremos uma segunda chance de causarmos uma primeira boa impressão." Na prática isso significa que no mínimo devemos ter cuidados básicos de higiene como: cabelos sempre cortados e penteados para homens e bem penteados para mulheres, dentes escovados, unhas cortadas e outros que não podem ser negligenciados. São a base da construção da sua imagem, portanto deve ser sólida. Quanto aos trajes, vista sempre a melhor roupa que tiver para a ocasião. Não significa usar "passeio completo" (terno e gravata) em todos os momentos, mas se vai vestir esportivamente opte pela melhor que tiver. Tenha na sua Rede de Relacionamento alguém que seja especialista em moda. Alguns modelos ou cores podem disfarçar atributos físicos que sejam pontos fracos como "go rdurinhas a mais" ou "altura a menos". O péssimo hábito de importar cultura deve ser abolido neste caso, sem invenções de trajes típicos de regiões ou países diferentes dos nossos. Nos Estados Unidos, por exemplo, existe a cultura do tal "casual day", a permissão protocolar de usar o que bem entender na sexta feira. Aparece cada coisa nos ambientes de trabalho. Acessórios, perfumes, maquiagens também devem estar sempre adequados, pois podem comprometer tudo.

Por mais que alguns "torçam o nariz", somos produtos, e como tal devemos ter embalagem, marca, boa aparência e tudo isso com personalidade. Espelhe-se em alguém e siga seus exemplos, dando o seu toque pessoal. O tempo continua correndo. Roupa passada, sapato engraxado, carro limpo, barba bem feita, pasta arrumada e mãos a obra. Os resultados só aparecerão a partir do momento que você começar. Comece hoje, já. Para ler os demais artigos da série Marketing Pessoal faça busca aqui mesmo neste site.


Reginaldo Rodrigues é Graduado em Comunicação Social com Pós em Gestão Estratégica em Marketing - Palestrante e Consultor - Blog: reginaldorodrigues100.blogspot.com - Twitter: twitter.com/reginaldorod - Site: www.rcem.com.br