O que é o Metaverso
Daniel Portillo Serrano
09/12/2021


O metaverso tem sido um assunto frequente nas conversas, com o Facebook e a Microsoft em jogo. Mas o que é o metaverso? E quando chegará aqui?
O autor Neal Stephenson é responsável por cunhar o termo "metaverso" em seu romance de ficção científica de 1992 "Snow Crash", no qual ele imaginou avatares realistas que se encontravam em edifícios 3D realistas e outros ambientes de realidade virtual.
Desde então, vários desenvolvimentos marcaram o caminho em direção a um metaverso real, um mundo virtual online que incorpora realidade aumentada, realidade virtual, avatares holográficos 3D, vídeo e outros meios de comunicação. Conforme o metaverso se expande, ele oferecerá um mundo alternativo hiper-real para você coexistir.
Precursores com pequenas amostras do metaverso já existem em universos de jogos online como Fortnite, Minecraft e Roblox. E as empresas por trás desses jogos têm ambições de fazer parte da evolução do metaverso.

O que o metaverso?


É uma combinação de vários elementos de tecnologia, incluindo realidade virtual, realidade aumentada e vídeo, onde os usuários "vivem" dentro de um universo digital. Os apoiadores do metaverso imaginam seus usuários trabalhando, tocando e permanecendo conectados com amigos em tudo, desde shows e conferências até viagens virtuais ao redor do mundo.


Quando podemos esperar para ver isso?


Mark Zuckerberg, o CEO da recém-nomeada Meta (anteriormente Facebook), estima que pode levar de cinco a dez anos antes que os principais recursos do metaverso se tornem populares. Mas aspectos do metaverso existem atualmente. Velocidades de banda larga ultrarrápidas, fones de ouvido de realidade virtual e mundos online persistentes sempre ligados já estão funcionando, embora possam não estar acessíveis a todos.


Quais são alguns exemplos disso?


♦ Meta. O gigante da tecnologia anteriormente conhecido como Facebook já fez investimentos significativos em realidade virtual, incluindo a aquisição de 2014 da Oculus. Meta prevê um mundo virtual onde avatares digitais se conectam por meio do trabalho, viagens ou entretenimento usando fones de ouvido de RV. Zuckerberg tem sido otimista no metaverso, acreditando que ele poderia substituir a Internet como a conhecemos. "A próxima plataforma e meio serão ainda mais imersivos e incorporados à Internet onde você está na experiência, não apenas olhando para ela, e chamamos isso de metaverso", disse o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, no mês passado, após revelar o rebranding da empresa.
♦ Microsoft. A gigante do software já usa hologramas e está desenvolvendo aplicativos de realidade mista e estendida (XR) com sua plataforma Microsoft Mesh, que combina o mundo real com realidade aumentada e realidade virtual. No início deste mês, a Microsoft mostrou seus planos de trazer realidade mista, incluindo hologramas e avatares virtuais para o Microsoft Teams em 2022. Também em obras para o próximo ano: espaços virtuais 3D conectados exploráveis para lojas e locais de trabalho. O Exército dos EUA está atualmente trabalhando com a Microsoft em um headset Hololens 2 de realidade aumentada para os soldados treinarem, ensaiarem e lutarem. Além disso, o Xbox Live já conecta milhões de jogadores de videogame em todo o mundo também.
♦ Epic Games. Tim Sweeney, CEO da empresa que desenvolveu o Fortnite, disse: "Não é segredo que a Epic está investindo na construção do metaverso." É realizado concertos de nomes como Ariana Grande e Travis Scott, trailers de filmes e estréias musicais e até mesmo uma reinvenção "imersiva" do histórico discurso "I Have A Dream" de Martin Luther King Jr. em 1963, em 1963. E está desenvolvendo humanos digitais fotorrealistas com seu Criador MetaHuman, que pode ser a forma como você personaliza seu doppelganger digital em futuros jogos de mundo aberto.
♦ Roblox. A plataforma, fundada em 2004, abriga dezenas de jogos gerados por usuários, incluindo ofertas de RPG como Bloxburg e Brookhaven, onde os usuários podem construir casas, trabalhar e jogar cenários. Roblox agora está avaliado em mais de US $ 45 bilhões depois de abrir o capital este ano. No dia de seu IPO em março, o fundador e CEO da Roblox David Baszucki tuitou um agradecimento a todos que ajudaram a trazer a plataforma "um passo mais perto de cumprir nossa visão do #Metaverse." Desde então, Roblox se associou à empresa de calçados para skate Vans para criar o Vans World, um parque virtual de skate onde os jogadores podem se vestir com roupas novas da Vans e abriu um Gucci Garden limitado, onde você pode experimentar e comprar roupas e acessórios para seu eu virtual .
♦ Minecraft. Outro universo virtual amado pelas crianças, o Minecraft, de propriedade da Microsoft, é essencialmente o equivalente digital do Legos, onde os jogadores podem criar seu próprio personagem digital e construir o que desejarem. Em agosto, o Minecraft ostentava mais de 140 milhões de usuários ativos mensais. Durante a pandemia, sua popularidade explodiu entre as crianças que dependiam mais de conexões virtuais.
Algumas empresas menos conhecidas lançaram seus próprios mundos online. O mundo de fantasia online Second Life, fundado em 2003, está em sua segunda década como uma realidade alternativa.


Atualmente já há diversos multiversos em funcionamento como o
Decentraland
Axie Infinity
The SandBox
Star Atlas
Metaverse Index
E em alguns deles já se fazem negócios como na vida real, como um imóvel que foi vendido por 2,4 milhões de dólares.

Veja o vídeo abaixo para entender melhor o que é o Metaverso

 



 


Daniel Portillo Serrano é Palestrante, Consultor e Professor. Bacharel em Comunicação Social com ênfase em Marketing Pela Universidade Anhembi Morumbi, e pós graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Ibero-Americano - Unibero, Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Paulista - UNIP. É consultor de Marketing e Comportamento do Consumidor e editor dos sites Portal do Marketing e Portal da Psique . Tem atuado como principal executivo de Vendas e Marketing em diversas empresas do ramo Eletroeletrônico, Telecomunicações e Informática. É professor de Marketing, Administração, Estratégia, Comportamento do Consumidor e Planejamento em cursos universitários de graduação e pós-graduação. Contato: daniel@portaldomarketing.com.br   .