Educação Infantil: Professores ou Professoras?
Por Eliane Pisani Leite
26/07/2007


Muito se tem falado em Relações de Gênero na sociedade e recentemente discute-se o papel da figura masculina dentro do contexto escolar da educação infantil.

Em meu trabalho com as escolas desse segmento observo uma constante preocupação dos diretores em marcar presença com uma figura masculina para que a criança tenha referencias do modelo socialmente representado por esse sexo em nosso contexto cultural.

Uma visão bem elaborada sobre esse tema podemos ter, discutindo um trecho do livro de Claudia Vianna e Sandra Ridenti – Relações de gênero e escola:

“Em nossa sociedade as desigualdades entre homens e mulheres são fortemente atribuídas às distinções de sexo, com evidentes conotações biológicas. Assim, sexo remete às diferenças físicas entre homens e mulheres. Todos nascemos com algumas características que são específicas para homens e para mulheres; um exemplo é a capacidade das mulheres de procriar e amamentar. Muitas vezes essas características distintas são usadas pelos indivíduos na construção de um conjunto de representações sociais e culturais, valores e atribuições sociais. Isso é o que chamamos de gênero.

O gênero começou a ser utilizado como uma maneira de se referir à organização social entre os sexos, de insistir no caráter fundamentalmente social das distinções baseadas sobre o corpo, e de destacar o caráter relacional das definições normativas da feminilidade e da masculinidade, isto é, mulheres e homens passam a ser definidos em termos recíprocos. Gênero remete, portanto, a uma tentativa de incorporar, na análise, aspectos que são socialmente construídos, observando que cada cultura define o que é masculino e feminino. Ou seja, trata-se de definições mutáveis, que podem e, por vezes, devem ser alteradas.”

“Aprender a dimensão da construção social do gênero através da história e nas diferentes culturas implica analisar as hierarquias e as relações de poder, questionando conceitos tratados como universais.” (Scott, 1992).

Hoje muitas mulheres vem conquistando cargos que antes só eram ocupados por homens, porém é verdade que algumas estatísticas mostram que os cargos executivos ocupados por mulheres ainda se restringem a algumas funções mais amenas do que os cargos ocupados pelos homens.

No âmbito de instituições de educação infantil, percebemos a incidência maior de cargos ocupados por mulheres, acredito que esse cenário em breve vá se modificando com a reflexão da questão de gênero discutida acima.

As escolas que tem contratado homens para função de professor de sala de aula, muitas vezes se deparam com alguns preconceitos por parte dos pais. Penso que essas questões precisam ser levantadas e discutidas junto ao corpo docente bem como com a sociedade e a clientela que a escola atende. Pois é justamente na educação que se aprende a construção e definição de gênero, sendo assim se não pensarmos nessas questões como iremos lidar com as igualdades de oportunidades.


Eliane Pisani Leite - Autora do livro: Pais EducAtivos

Pisicologia Acupuntura Psicopedagogia - pisani.leite@terra.com.br