Motricidade Fina
Por Eliane Pisani Leite
29/07/2007


Um dos sentidos mais explorados pela criança é o tato, ela descobre o mundo, usando as mãos e mexendo em coisas.

A criança muito reprimida, com pouca possibilidade de utilizaras mãos, não se desenvolverá normalmente. Ela necessita exercitar sua habilidade manual para progredir intelectual e emocionalmente. É como se “pensasse com as mãos”. Apesar da pouca destreza, com o treino vão ficando cada vez mais firme. Terá de aprender a comer sem se sujar, beber sem derramar, servir-se, vestir-se, usar lápis e tesoura, rosquear tampas, montar quebra-cabeças. Se for privada desses estímulos, mais tardiamente fará essas coisas.

Todos esses exercícios são necessários para passar ao próximo estágio de movimentos leves, finos e precisos da mão, indispensáveis para a escrita – é o que chamamos “motricidade fina”.

A criança deve treinar a comer sozinha, tomar banho, usar o copo, passar do giz de cera grosso ao giz de cera fino. Outros exercícios recomendados para essa aquisição são: catar arroz, dobrar tecidos, arrumar objetos, bater com as mãos na mesa em diferentes ritmos, abrir e fechar os dedos, afastá-los um a um, efetuar movimentos de garra, levantar alternadamente cada dedo com a palma apoiada na mesa, fazer “teatrinho de sombra”, jogar uma bola pequena contra a parede e apará-la, modelar argila, recortar revistas, identificar objetos apalpando sem visualizá-los.

Por volta dos 5 ou 6 anos a criança já pode demonstrar sua preferência de lateralidade (esquerda-direita). É muito importante respeitar essa tendência.

Com dedicação e empenho todos podemos contribuir para o desenvolvimento infantil.


Eliane Pisani Leite - Autora do livro: Pais EducAtivos

Pisicologia Acupuntura Psicopedagogia - pisani.leite@terra.com.br